sábado, 2 de abril de 2011

JESUS É CONDENADO - A VIA SACRA NOS EVANGELHOS, NA BÍBLIA.








Do Evangelho segundo João 19,6-7.12.16










Quando viram Jesus, os sumos sacerdotes e os guardas começaram a gritar: “Crucifica-o! Crucifica-o!”

Pilatos respondeu: “Levai-o vós mesmos para o crucificar, pois eu não encontro nele crime algum”.

 Os judeus responderam: “Nós temos uma Lei, e, segundo essa Lei, ele deve morrer, porque se fez Filho de Deus”...

Por causa disto, Pilatos procurava soltar Jesus.

Mas os judeus gritavam: “Se soltas este homem, não és amigo de César. Todo aquele que se faz rei, declara-se contra César”...


Então Pilatos entregou Jesus para ser crucificado, e eles o levaram.









DO EVANGELHO SEGUNDO SÃO MATEUS:

Pilatos (...) fez com que lhe trouxessem água, lavou as mãos diante do povo e disse: "Sou inocente do san­gue deste homem. Isto é lá convosco!"

E todo o povo res­pondeu: Caia sobre nós o seu sangue e sobre nossos filhos!"

Libertou então Barrabás, mandou açoitar Jesus e lho entregou para ser crucificado (Mt 27, 24-26).













EVANGELHO DE SÃO MARCOS (15,1-15)





Logo de manhã tiveram conselho os principais sacerdotes com os anciãos, os escribas e todo o sinédrio; e maniatando a Jesus, o levaram e o entregaram a Pilatos.



Pilatos lhe perguntou: És tu o rei dos judeus? Respondeu-lhe Jesus: É como dizes.








e os principais dos sacerdotes o acusavam de muitas coisas.



Tornou Pilatos a interrogá-lo, dizendo: Não respondes nada? Vê quantas acusações te fazem.


Mas Jesus nada mais respondeu, de maneira que Pilatos se admirava.


Ora, por ocasião da festa costumava soltar-lhes um preso qualquer que eles pedissem.


E havia um, chamado Barrabás, preso com outros sediciosos, os quais num motim haviam cometido um homicídio.


E a multidão subiu e começou a pedir o que lhe costumava fazer.




Ao que Pilatos lhes perguntou: Quereis que vos solte o rei dos judeus?












Pois ele sabia que por inveja os principais sacerdotes lho haviam entregado.










Mas os principais sacerdotes incitaram a multidão a pedir que lhes soltasse antes a Barrabás.


E Pilatos, tornando a falar, perguntou-lhes: Que farei então daquele a quem chamais reis dos judeus?


Novamente clamaram eles: Crucifica-o!


Disse-lhes Pilatos: Mas que mal fez ele? Ao que eles clamaram ainda mais: Crucifica-o!




Então Pilatos, querendo satisfazer a multidão, soltou-lhe Barrabás; e tendo mandado açoitar a Jesus, o entregou para ser crucificado.












EVANGELHO DE SÃO LUCAS (23, 1- 25)






1 Em seguida o grupo todo se levantou e levou Jesus para Pilatos.











2 Lá, começaram a acusá-lo, dizendo: —Pegamos este homem tentando fazer o nosso povo se revoltar, dizendo a eles que não pagassem impostos ao Imperador e afirmando que ele é o Messias, um rei.










3 Aí Pilatos perguntou a Jesus: —Você é o rei dos judeus? Jesus respondeu: —Quem está dizendo isso é o senhor.


4 Então Pilatos disse aos chefes dos sacerdotes e à multidão: —Não encontro nenhum motivo para condenar este homem.


5 Mas eles insistiram: —Ele está causando desordem entre o povo em toda a Judéia. Ele começou na Galiléia e agora chegou aqui.


6 Ouvindo isso, Pilatos perguntou: —Este homem é da Galiléia?




7 Quando soube que Jesus era da região governada por Herodes, Pilatos o mandou para ele, pois Herodes também estava em Jerusalém naquela ocasião.


8 Herodes ficou muito contente quando viu Jesus, pois tinha ouvido falar a respeito dele e fazia muito tempo que queria vê-lo. Ele desejava ver Jesus fazer algum milagre.


9 Então fez muitas perguntas a Jesus, mas ele não respondeu nada.


10 Os chefes dos sacerdotes e os mestres da Lei se apresentaram e fizeram acusações muito fortes contra Jesus.


11 Herodes e os seus soldados zombaram de Jesus e o trataram com desprezo. Puseram nele uma capa luxuosa e o mandaram de volta para Pilatos.




12 Naquele dia Herodes e Pilatos, que antes eram inimigos, se tornaram amigos.




13 Pilatos reuniu os chefes dos sacerdotes, os líderes judeus e o povo










14 e disse: —Vocês me trouxeram este homem e disseram que ele estava atiçando o povo para fazer uma revolta. Pois eu já lhe fiz várias perguntas diante de todos vocês, mas não encontrei nele nenhuma culpa dessas coisas de que vocês o acusam.










15 Herodes também não encontrou nada contra ele e por isso o mandou de volta para nós. Assim, é claro que este homem não fez nada que mereça a pena de morte.




16 Eu vou mandar que ele seja chicoteado e depois o soltarei.




17 Na Festa da Páscoa, Pilatos tinha o costume de soltar algum preso, a pedido do povo.




18 Aí toda a multidão começou a gritar: —Mate esse homem! Solte Barrabás para nós!


19 Barrabás tinha sido preso por causa de uma revolta na cidade e por assassinato.


20 Então Pilatos, querendo soltar Jesus, falou outra vez com a multidão.


21 Mas eles gritavam mais ainda: —Crucifica! Crucifica!


22 E Pilatos disse pela terceira vez: —Mas qual foi o crime dele? Não vejo neste homem nada que faça com que ele mereça a pena de morte. Vou mandar que ele seja chicoteado e depois o soltarei.


23 Porém eles continuaram a gritar bem alto, pedindo que Jesus fosse crucificado; e a gritaria deles venceu.








24 Pilatos condenou Jesus à morte, como pediam.









25 E soltou o homem que eles queriam—aquele que havia sido preso por causa de revolta e de assassinato. E entregou Jesus para fazerem com ele o que quisessem.




























2 comentários:

  1. precisamos de mais catequese sobre a via sacra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você. Por esses dias, me dedicarei a fazer postagens sobre a Via Sacra buscando essas catequeses.

      Excluir