quinta-feira, 25 de agosto de 2011

NOSSA SENHORA DA ESCADA - HISTÓRIA E CULTO








O culto de Nossa Senhora da Escada foi trazido de Portugal para o Brasil.








Porque "da Escada"?

Uma das explicações remete à infância de Nossa Senhora.

Ainda bebê, ela miraculosamente teria conseguido galgar as escadarias do templo de Jerusalém.









MARIA MENINA SOBE AS ESCADARIAS DO TEMPLO DE JERUSALÉM ( LENDA DOS EVANGELHOS APÓCRIFOS)
VEJA EM:
http://rezairezairezai.blogspot.com/search/label/EVANGELHO%20AP%C3%93CRIFO












Outra, mais prosaica, recorre a uma simples questão arquitetônica.

O atributo "da Escada" teria surgido de igrejas em que era preciso vencer escadarias para cultuar a Virgem Maria.

Existem igrejas sob a invocação de Nossa Senhora da Escada na Bahia, em Pernambuco (onde empresta o nome ao município de Escada) e em outras partes do Brasil.

Em São Paulo, além de Barueri, existe outra em Guararema.
 Esta, de meados do século XVII, é tombada pelo Patrimônio Histórico Nacional e, como a de Barueri, foi erguida para servir a um aldeamento.


Curiosidade:

Na Capela da Nossa Senhora da Escada, na cidade de Guararema, está a única imagem em gesso do São Longuinho, presente vindo da Itália.

Nossa Senhora da Conceição da Escada; antiga devoção mariana popular de Portugal e do Brasil, ligada ao mar

 

Não é de estranhar que, pela acentuada vocação marítima de Portugal, tenha sido a devoção dos marinheiros de Lisboa uma das mais populares no país, e, por essa razão, uma das primeiras a se implantar no Brasil.


Escada?

 Que nome estranho para designar uma devoção a Nossa Senhora, poderão pensar alguns ao ouvi-lo.

 Outros, mais eruditos, estabelecerão talvez um nexo com a escada de Jacó, narrada na Sagrada Escritura, pois o Patriarca sonhou com uma escada que levava ao Céu. De modo análogo, Nossa Senhora leva ao Céu, logo...


E ainda outros, quiçá, relacionarão o nome com imagens da Paixão de Cristo, dado que, muitas vezes, Nossa Senhora aparece ao lado da escada utilizada para descer o corpo de seu Divino Filho da cruz.


O que ninguém consegue imaginar é a razão verdadeira da invocação Nossa Senhora da Conceição da Escada.


Na origem do nome, singeleza de circunstâncias naturais


Qualquer pessoa dotada de cultura básica conhece a enorme importância que tiveram as navegações e descobrimentos portugueses nos séculos XV e XVI, bem como o fato de terem sido os navegantes lusos que uniram, por via marítima, diversos continentes.

 E que tal epopéia ocorreu mediante viagens realizadas a bordo de navios que, se comparados aos de hoje, eram semelhantes a frágeis cascas de nozes.




Coragem não faltou aos navegantes daquela época. Também não faltou fé e fortaleza para correr todos os riscos.

E tal fé dos marinheiros lusos encontrava uma expressão encantadora na devoção a Nossa Senhora da Conceição da Escada, na cidade de Lisboa.


A imagem original da Virgem Santíssima – que depois ficou conhecida sob essa invocação – é muito antiga, anterior à reconquista da cidade aos mouros, em 1147.

Ela se encontrava em uma capela situada à margem do rio Tejo. Ao partir, os marinheiros encomendavam-lhe seus trabalhos, e agradeciam sua proteção ao voltar. Como a margem do rio é elevada, precisavam subir ou descer os 31 degraus que separam a capela do rio.

Por isto, com a passar do tempo, a imagem de Nossa Senhora da Conceição começou a ser chamada de Conceição da Escada, para diferenciá-la de outras imagens de Nossa Senhora da Conceição (devoção muito difundida em Portugal). Desse fato resultou que a imagem passou a ser conhecida como Nossa Senhora da Escada.


Dada a importância que a vida ligada ao mar tinha para o povo português naquela época, é compreensível que a referida imagem fosse das mais veneradas. De onde se explica que, cada vez que se decidia a realização de procissões para celebrar tal ou qual vitória, ou pedir proteção contra este ou aquele flagelo, eram as procissões da capela de Nossa Senhora da Escada das mais concorridas.


Com o tempo, começaram a acorrer à capela pessoas em barcos de locais longínquos, a fim de cumprir promessas e votos, bem como agradecer favores recebidos. Numa determinada época, realizava-se uma procissão com tochas acesas, provavelmente à noite, que descia o rio até chegar à capela dedicada a Nossa Senhora da Conceição da Escada.


Vitória de Aljubarrota fortalece devoção




A procissão mais importante, porém, era a que comemorava a vitória dos portugueses em Aljubarrota, no ano de 1385.









As tropas portuguesas, comandadas pelo Venerável Nun'Álvares Pereira, lutavam não só para defender a independência do país, mas sobretudo para este não cair no cisma que ameaçava dividir a Cristandade, já que o Rei de Castela na ocasião apoiava um antipapa.


Após travarem a luta em condições de inferioridade numérica, os portugueses obtiveram memorável vitória.





Ao ter notícia do triunfo, o povo acudiu em massa aos diversos santuários do país, e um dos mais concorridos foi o de Nossa Senhora da Escada, onde pessoas de todas as classes sociais se dirigiram para agradecer a Nossa Senhora a insigne proteção.

Que tenham sido de todas as classes sociais não é de estranhar, pois à Marinha dedicavam-se representantes de todos os segmentos sociais da época. Desde os nobres mais elevados que comandavam as armadas com destino à África ou à Ásia, até os mais humildes servidores.


Devoção expande-se para Bahia e São Paulo


Com as descobertas marítimas que iam sendo feitas, a Fé católica ia se expandindo.

Por isso, ao dominar novos territórios, uma das primeiras preocupações dos portugueses era ensinar as verdades da Fé aos habitantes do local.






E nada melhor para consolidar uma alma no caminho da verdadeira Religião do que ensiná-la a amar e confiar nAquela que é a Mãe de Deus, e por isso mesmo, nossa advogada.


Como dois dos primeiros locais a serem colonizados em nosso País foram a Bahia de Todos os Santos e zonas na região próximas ao litoral de São Paulo, é compreensível que aí se encontrem as duas capelas dedicadas a Nossa Senhora da Escada.


A existente na Bahia apresenta uma característica muito antiga, da época da escravidão: os escravos, quando ainda não batizados, não podiam ficar dentro da Igreja, permanecendo num alpendre junto à entrada. É por isso que o pequeno templo possui um amplo alpendre.


A outra capela situava-se numa vila chamada Escada, nome este proveniente da própria invocação mariana. Tal capela está situada cerca de Guararema, cidade a 80 quilômetros da capital paulista. Devido à sua proximidade do rio Paraíba, essa vila era freqüentada tanto por pescadores como por viajantes que navegavam rumo ao Rio de Janeiro.


Quando passou por lá, em 1717, o Conde de Assumar, Governador de São Paulo, Escada era uma vila que já possuía sua própria Câmara Municipal. Mas o pequeno núcleo não prosperou, e com sua decadência também foi minguando a devoção mariana que lhe deu origem.


As devoções marianas não constituem, via de regra, um fruto artificial, ocasionado por algum interesse humano. Elas florescem naturalmente quando Nossa Senhora distribui suas graças, valendo-se, por exemplo, de uma imagem sob esta ou aquela invocação. E se o povo é verdadeiramente piedoso, costuma corresponder a essas graças, propaga-se naturalmente a devoção Àquela que o sustenta nas duras lutas da vida.


Quando, porém, a população decai em fervor e não mais invoca a Virgem Santíssima, as devoções ligadas a alguma capela ou imagem também por vezes decaem. As pessoas deixam de freqüentar o local, e vão se olvidando das graças recebidas. Nessas condições, não raro Nossa Senhora opera novo prodígio, a fim de reerguer a antiga devoção. Mas, infelizmente, nem sempre os homens correspondem à nova manifestação da bondade materna.


Dois terremotos e decadência da devoção


Foi o que aconteceu com a imagem de Nossa Senhora da Escada em Portugal.

Em 1531 um terremoto destruiu a capela, que foi reedificada. Mas como a devoção continuava decaindo aos poucos, permitiu Nossa Senhora que novo terremoto em Lisboa, mais terrível que o anterior, destruísse o pequeno templo em 1755.

 Nos dois casos, os edifícios que abrigavam a imagem foram destruídos, salvando-se contudo, milagrosamente, entre as ruínas, tanto a efígie mariana como o altar em que ela se encontrava.


A decadência do culto a Nossa Senhora sob essa invocação havia chegado a tal ponto, que a capela da Escada não foi mais reconstruída. Por isso, a primitiva imagem foi levada para o templo de Nossa Senhora das Mercês em Lisboa, onde se encontra até hoje. Pareceria um triste fim de uma invocação mariana antes tão difundida.


Renascimento promissor





Entretanto, a devoção não morreu.

Ela deitou raízes em nosso País, surgindo várias capelas a ela dedicadas, como a que foi edificada na vila da Escada, acima referida, no Estado de São Paulo, e anos atrás em Curitiba, no bairro Novo Mundo.


Peçamos à Mãe de Deus que este seja um sinal do revigoramento dessa bela devoção tão acendrada em nossos ancestrais lusos, especialmente os navegadores, que a trouxeram para a Terra de Santa Cruz.


Nossa Senhora da Conceição da Escada é a Padroeira da cidade de Barueri, cuja festa celebra-se em 21 de novembro.

 
 
 
 
 
 NOSSA SENHORA DA ESCADA, EM PERNAMBUCO.
 
 
Primitivamente o município foi uma aldeia de índios das tribos Potiguaras, Tabujarés e Mariquitos(Indeterminado,pois os arquivos que provam a existênçias dessas tribos foram perdidos na histórica cheia de setenta que a atingiu).







O nome "Escada" provém da capela erguida por missionários da Congregação do Oratório, vinda de Portugal para a catequese dos índios.

Como a capela estava localizada no alto do terreno, foi construída uma escada para dar acesso a um "nicho" em louvor a Nossa Senhora d'Apresentação, que ficou conhecida como Nossa Senhora da Escada.


O distrito de Escada foi criado pela Carta Régia de 27 de abril de 1786 e por Lei Municipal em 6 de março de 1893. A Lei Provincial nº 326, de 19 de abril de 1854, criou o município de Escada, com território desmembrado do município do Cabo de Santo Agostinho.

A sede municipal foi elevada à cidade pela Lei Provincial nº 1.093, de 24 de maio de 1873. É formado pela Sede Administativa, distritos de Massuassú e Frexeiras.




IGREJA DE ESCADA, EM PERNAMBUCO


INTERIOR DA IGREJA







OUTRAS IMAGENS QUE ENCONTREI NA WEB:
























MARIA SOBE AS ESCADA DO TEMPLO DE JERUSALÉM EM SUA APRESENTAÇÃO  
POR SÃO JOAQUIM E SANTA ANA.


OUTRO POSSÍVEL MOTIVO DA DEVOÇÃO
É A REPRESENTAÇÃO DE MARIA
PRÓXIMA A ESCADA
A USADA PARA TIRAR O CORPO DE JESUS DA CRUZ

























































































IMAGEM DE NOSSA SENHORA DA ESCADA , FILIPINAS













































sábado, 20 de agosto de 2011

'NOSSA SENHORA DA BOA HORA




A devoção à Nossa Senhora da Hora ou da Boa Hora é invocada para interceder nos instantes das maiores aflições: para a cura das doenças do corpo e da alma, e especialmente na hora do parto, protegendo a vida das mulheres grávidas e dos bebes.






O parto sempre foi um momento delicado para a mulher e a família, principalmente no tempo em que a medicina não oferecia as condições atuais para proteger a mãe e a criança.

Nossa Senhora da Hora é Padroeira da Freguesia homônima, do Conselho de Matosinhos, próxima da cidade do Porto, em Portugal.

Ela possui esse nome graças à fé que sua população sempre dedicou à Santa Padroeira.

E que, por isso, pacificamente não aceitou a mudança do nome do local.

Antes do século XVIII, essa Freguesia era apenas uma aldeia, com uma única 'venda' abastecida de gêneros alimentícios, tecidos, ferragens, remédios e outras miudezas.




Assim é que vivia o povo simples do local conhecido como povoado da Senhora da Hora.



A Capela de Nossa Senhora da Hora foi construída por desejo de Aleixo Francisco, em l514.

Ele escolheu um local do Monte do Viso, onde existia uma fonte natural com sete bicas, conhecida como: Mãe das Águas.




Logo a devoção se espalhou entre o povo que a elegeu para sua Padroeira.

 A grande fé dedicada à Senhora da Hora acabou recaindo até na água das sete bicas, que passou a ser usada num ritual singular criado por eles.



Devido a proximidade com a cidade do Porto, a Vila 'da Senhora da Hora' se desenvolveu e sua população cresceu.

Das terras mais distantes do país acorriam inumeráveis peregrinos àquela Capela, para colocarem aos pés da Virgem as ofertas prometidas em horas difíceis.

No inicio de 1932, foi criada a Freguesia da Senhora da Hora.

Desde 1968, a Capela se tornou Santuário da Padroeira.

 A sua festa anual é celebrada na quinta-feira da Ascensão, uma data móvel.



A região da Gafanha é belíssima, banhada por rio e por mar em toda a sua extensão.

O povo muito religioso começou a se referir ao local como Gafanha da Boa Hora, em homenagem à sua Padroeira.



A imagem era a mesma da Virgem da Hora, mas venerada pelos antepassados com o título de Senhora da Boa Hora, pois era preciso 'boa hora' para partir e chegar da pesca;

para as mulheres prestes a serem mães;

e porque todos desejam deixar este mundo com o abraço da Mãe, e dessa forma ingressar na glória eterna de Cristo Jesus.



O culto à Nossa Senhora da Hora ou da Boa Hora está tão arraigado no coração do povo português, que foi introduzido com esses títulos em todas as colônias do reino.



No Brasil, começou em Salvador, através de um missionário natural de Gafanha da Boa Hora, que adquiriu uma imagem semelhante à Padroeira de sua cidade natal e começou a difundir o culto à Nossa Senhora da Boa Hora.

Em Olinda, Pernambuco, se encontra a mais antiga igreja dessa devoção construída no solo brasileiro.

Entretanto, esse título mariano nomeia muitas localidades do país, das quais a Virgem da Hora e também a padroeira.




Oração a Nossa Senhora da boa hora
( PARA UM BOM PARTO PARTO)

 




Ó Maria Santíssima, vós, por um privilégio especial de Deus, fostes isenta da mancha do pecado original, e devido a este privilégio não vivenciastes as surpresas da maternidade, nem o tempo da gravidez e nem o parto.




Mas compreendeis perfeitamente as angústias e aflições de todas as mulheres que se tornam mães, especialmente nos momentos de incerteza do sucesso ou insucesso do parto.

Olhai para mim, vossa serva, que venho sofrendo angústias, agora que o parto se aproxima.

Dai-me a graça de ter um parto feliz.

Fazei com que meu bebê nasça com saúde, forte e perfeito. Eu vos prometo orientar meu filho sempre pelo caminho certo, o caminho que o vosso Filho, Jesus, traçou para todos os homens, o caminho do bem.

Virgem, Mãe do Menino Jesus, agora me sinto mais calma e mais tranqüila, porque conto com vossa maternal proteção.

Nossa Senhora do Bom Parto, rogai por mim!




OUTRAS IMAGENS DA SENHORA DA BOA HORA:








RELÍQUIA : O CINTO DA VIRGEM MARIA DADO A SÃO TOMÉ




O CINTO DE NOSSA SENHORA


 

Em Prato na Itália está uma das relíquias mais tocantes de Mãe de Deus: o cinto de Nossa Senhora dado a São Tomé no dia de sua assunção.

É bem conhecida a história de São Tomé, um dos doze Apóstolos, que por estar ausente quando Nosso Senhor apareceu a eles, após a Ressurreição, não quis nela acreditar, apesar do testemunho de seus companheiros.

Só oito dias mais tarde, quando Jesus lhes apareceu novamente, Tomé pôde constatar a verdade, colocando seus dedos nas Santas Chagas do Salvador. Aí, sim, acreditou.



A DORMIÇÃO E ASSUNÇÃO DE MARIA E A FALTA DE FÉ DE TOMÉ








Passaram-se os anos e Tomé tornou-se um dos Apóstolos mais intrépidos, levando o Evangelho até os confins da Pérsia e Índia.












 
Segundo a bela tradição que chegou até nós, encontrava-se ele numa dessas longínquas regiões quando recebeu um recado de São Pedro, de que retornasse sem demora a Jerusalém, pois Maria, a Mãe do Senhor, iria deixá-los e desejava antes se despedir de todos.

Empreendeu Tomé a sua volta e mais uma vez chegou atrasado.

 A Mãe de Deus já havia subido aos céus.



São Tomé, mais uma vez levado pelo ceticismo, relutou em acreditar na Assunção da Santíssima Virgem e pediu a São Pedro que abrisse o sepulcro, para poder comprovar com os seus próprios olhos o ocorrido.

Atendido o seu pedido, constatou que no túmulo vazio encontravam-se apenas muitos lírios e rosas.








 
Nesse mesmo momento, ao levantar suas vistas aos céus, Tomé viu Nossa Senhora na Glória, que, sorridente, desatou o cinto e lançou-o em suas mãos, com símbolo de maternal bênção e proteção.






Este cinto é a relíquia que se venera na Catedral de Prato.

Um habitante da cidade de Prato, que esteve na Terra Santa, levou o cinto para Jerusalém em 1141.

 No começo ninguém deu muita importância àquela relíquia de autenticidade não comprovada. Mas em 1173 a Providência valeu-se de um fato extraordinário para que todos a reconhecessem como verdadeira:





CATEDRAL DE PRATO






No dia de Santo Estevão, o padroeiro da cidade, era costume colocarem-se todas as relíquias em cima do altar para com elas abençoar os doentes e endemoniados.



Na ocasião, foi exposta também a caixa contendo o cinto de Nossa Senhora.

Aproximaram então uma possessa que, no momento em que tocou a caixa começou a afirmar com insistência que esse cinto era da Santíssima Virgem, e no mesmo instante viu-se liberada de seu mal.



Iniciou-se então o culto publico à sagrada relíquia.

O próprio São Francisco de Assis, em 1212, esteve com seus primeiros frades em Prato para venerá-la.
A relíquia é exposta à veneração pública cinco vezes ao ano. Nessas ocasiões, ela é colocada no púlpito externo, à direita da Catedral, defronte à bonita praça medieval da cidade.










 Essa devoção faz com que Prato seja até hoje um dos lugares de peregrinação mariana mais freqüentados da Itália.



Peregrinemos em espírito até à “Capella del Sacro Cingolo” e peçamos especiais graças a Maria Santíssima.

Ela, mãe de misericórdia quis mostrar a São Tome e a todos nós que, mesmo sendo teimosos em acreditar, e ainda que estejamos imersos em nossas misérias, Ela sempre estará disposta a fazer milagres portentosos para nos confirmar na Fé e atar-nos a Ela com seu Cinto, protegendo-nos com sua maternal ternura.







CAPELA DO SANTO CINTO







ALTAR DA CAPELA








VISITA DE JOÃO PAULO II
EM 19 DE MARÇO DE 1982







EXPOSIÇÃO SOLENE DO SANTO CINTO












EXPOSIÇÃO SOLENE




SÃO TOMÉ RECEBE O CINTO DA MÃE DE DEUS
































RELICÁRIO COM O CINTO






quarta-feira, 17 de agosto de 2011

ASSUNÇÃO DA VIRGEM MARIA NOS EVANGELHOS APÓCRIFOS






Vejamos a passagem do livro de São João sobre a Assunção da Bem-aventurada Virgem Maria:

 

"E Pedro tendo no cantado o hino, todos os poderes dos céus respondiam com um Aleluia.


 

E então o rosto da mãe do Senhor brilhou mais brilhante que a luz, e ela foi elevada para as alturas e abençoava cada um dos apóstolos com o própria mão, e todos deram glória a Deus;





e o Senhor esticando adiante suas mãos puras, recebeu sua alma e seu corpo inocente e sagrado.

E com a partida de sua alma e corpo inocente o lugar foi enchido com perfume e luz inefável; e, uma voz para fora do céu foi ouvida, dizendo: Tu és bendita entre as mulheres".








Quis Nosso Senhor dar esta suprema consolação à sua Mãe Santíssima e aos seus apóstolos e discípulos que assistiram a "dormição" de Nossa Senhora, entre os quais se sobressai S. Dionísio Aeropagita, discípulo de s. Paulo e primeiro Bispo de Paris, o qual nos conservou a narração desse fato.




Diversos Santos Padres da Igreja contam que os Apóstolos foram milagrosamente levados para Jerusalém na noite que precedera o desenlace da Bem-aventurada Virgem Maria.
 


S. João Damasceno, um dos mais ilustres doutores da Igreja Oriental, refere que os fiéis de Jerusalém, ao terem notícia do falecimento de sua Mãe querida, como a chamavam, vieram em multidão prestar-lhe as últimas homenagens e que logo se multiplicaram os milagres em redor da relíquia sagrada de seu corpo.

 

Três dias depois chegou o Apóstolo S. Tomé, que a Providência divina parecia ter afastado, para melhor manifestar a glória de Nossa Senhora, como dele já se servira para manifestar o fato da ressurreição de Nosso Senhor.

 

S. Tomé pediu para ver o corpo de Nossa Senhora.

Quando retiraram a pedra, o corpo já não mais se encontrava.

 

Do túmulo se exalava um perfume de suavidade celestial!

 

Como o seu Filho e pela virtude de seu Filho, a Virgem Santa ressuscitara ao terceiro dia.

Os anjos retiraram o seu corpo imaculado e o transportaram ao céu, onde ele goza de uma glória inefável.

 

Nada é mais autêntico do que estas antigas tradições da Igreja sobre o mistério da Assunção da Mãe de Deus, encontradas nos escritos dos Santos Padres e Doutores da Igreja, dos primeiros séculos, e relatadas no Concílio geral de Calcedônia, em 451.










1 - Leia, abaixo, um dos textos apócrifos que cita a Assunção na íntegra, intitulado "Passagem da bem Aventurada Virgem Maria"  (De Transitu Virginis), narração erroneamente Atribuída a José de Arimatéia. Para alguns historiadores seria uma obra do final do século V atribuída a São Melito que preserva uma versão teologicamente editada das tradições presentes no Liber Requiei Mariae.

Leia:

PARTE I:




2 – Leia o texto apócrifo "Livro de São João evangelista, o teólogo, sobre a passagem da santa mãe de Deus": do século IV este texto conta, principalmente os detalhes da morte de Maria e sua assunção num domingo:

http://rezairezairezai.blogspot.com.br/2016/08/evangelho-apocrifo-da-assuncao-de-sao.html






domingo, 14 de agosto de 2011

LOUVEMOS A DEUS NA ASSUNÇÃO DE SUA MÃE MARIA - ORAÇÕES




ANTÍFONA:

ADOREMOS O CRISTO E LOUVEMOS SUA MÃE
ELEVADA, HOJE, AOS CÉUS.








HINO DO OFÍCIO DAS LEITURAS:


COM UMA GRAÇA TODA SUA ,
MAIS BRILHANTE DO QUE A AURORA,
DO QUE O SOL E DO QUE A LUA,
SOBE AO CÉU NOSSA SENHORA


DO SEU TRONO OFUSCA O BRILHO,
AO VIR PELO CÉU AFORA,
EXALTADA PELO FILHO,
QUE É GRANDE ANTES DA AURORA,

MAIS QUE OS SANTOS TODOS BRILHA,
MAIS QUE OS ANJOS IRRADIA:
SE DO PAI FOI SEMPRE FILHA,
MÃE DE DEUS TORNOU-SE UM DIA.

ELA EM SI O TROUXERA OUTRORA,
COMO O SOL EM TREVA IMERSO,
EM DEUS PAI CONTEMPLA-O AGORA,
A REINAR SOBRE O UNIVERSO.


MÃE DE DEUS AO CÉU ERGUIDA,
SEJA ESTA PRECE  TUA:
DESTE A DEUS A NOSSA VIDA,
NOS CONCEDE AGORA A SUA.

LOUVOR SEJA AO PAI E AO FILHO
 E AO ESPÍRITO VITÓRIA,
POIS TE ALÇARAM DESTE EXÍLIO
AO PINÁCULO DA GLÓRIA.












RESPONSÓRIO DAS LAUDES:

HOJE A VIRGEM MARIA SUBIU PARA OS CÉUS.

E TRIUNFA COM CRISTO SEM FIM, PELOS SÉCULOS.

SUBIU PARA OS CÉUS.

GLÓRIA AO PAI, AO FILHO E AO ESPÍRITO SANTO.

HOJE A VIRGEM MARIA SUBIU PARA OS CÉUS.












RESPLENDENTE DE BELEZA,
FULGURANTE COMO A AURORA,
Ó FILHA DE SIÃO,
VÓS SUBISTES PARA OS CÉUS





I COR. 154,22-23
"COMO EM ADÃO TODOS MORREM,
 ASSIM TAMBÉM EM CRISTO TODOS REVIVERÃO.
PORÉM ,CADA QUAL SEGUNDO UMA ORDEM DETERMINADA:
EM PRIMEIRO LUGAR, CRISTO, COMO PRIMÍCIAS;
DEPOIS OS QUE PEERTENCEM A CRISTO."






ORAÇÃO:

DEUS ETERNO E TODO PODEROSOS,
QUE ELEVASTES À GLÓRIA DO CÉU
EM CORPO E ALMA
A IMACULADA VIRGEM MARIA, MÃE DO VOSSO FILHO,
 DAI-NOS VIVER ATENTOS ÀS COISAS DO ALTO
 A FIM DE PARTICIPARMOS DA SUA GLÓRIA.

POR NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, VOSSO FILHO,
 NA UNIDADE DO ESPÍRITO SANTO.



ORAÇÃO PESSOAL:

MÃE DE DEUS, SEJA LOUVADA EM VOSSA ASSUNÇÃO.

OBRIGADO POR MAIS UMA ANO PODER VOS FELICITAR POR ESSE EVENTO GRANDIOSO,
VENDO TUA GLÓRIA JUNTO AO TEU FILHO.

OBRIGADO PORQUE ESTAIS SEMPRE JUNTO DE NÓS, POR VOSSO AMOR DE MÃE, POR TUA BELEZA QUE DESFAZ AS TREVAS DE NOSSOS CORAÇÕES.

QUE NESTE DIA DE VOSSA ASSUNÇÃO, MÃE ,
EU TAMBÉM POSSA ME ELEVAR DAS TREVAS EM QUE VIVO,
DA LAMA QUE ME PUXA PARA ESTE MUNDO VAZIO,
DOS PENSAMENTOS QUE ME ACORRENTAM A UMA VIDA DE ILUSÃO.

AJUDE-ME , MÃE A ME ELEVAR, A SUBIR CONVOSCO PARA JUNTO DE CRISTO.

SINTO-ME PRESO E CONFUSO NESTE VALE DE LÁGRIMAS.

NÃO SEI , NEM ENTENDO NADA E A ÚNICA COISA PENSO É EM ME CONCENTRAR NO PRINCIPAL:
SER FELIZ INDEPENDENTE DE TUDO, AMANDO SEMPRE A DEUS ACIMA DE TUDO.

VÓS  QUE SOIS MÃE, OLHAI PARA MIM, COMPADECEI-VOS DE MINHA CONDIÇÃO PECADORA,
 GUIAI MEUS PASSOS, PARA QUE MEUS PÉS NÃO VACILEM E EU POSSA ENCONTRAR O CAMINHO CERTO.

AJUDE-ME , SENHORA, A COLOCAR EM ORDEM O JARDIM DE MINHA VIDA E DEIXAR  CONTEMPLAR AS BORBOLETAS QUE A ELE SE CHEGAREM.

ENSINE-ME A OLHAR SEMPRE PARA O CÉU E ASSIM NÃO ME MANCHAR COM AS ANGÚSTIAS DA TERRA.

COMO O VOSSO FILHO, JESUS, DISSE QUE A CADA DIA BASTA SEU CUIDADO,
E QUE NÃO NOS PREOCUPÁSSEMOS COM O DIA DE AMANHÃ,
QUE EU POSSO VIVER ESSE MISTÉRIO DE ABANDONO E POBREZA NAS MÃOS DE DEUS:

 O NADA TER, NEM QUERER SENÃO DEUS, SEU AMOR, VIVENDO EM SUPREMA ORAÇÃO.