segunda-feira, 12 de novembro de 2012

A IGREJA DO SAGRADO CORAÇÃO DO SUFRÁGIO E O MUSEU DAS ALMAS










Image of Museum of the Holy Souls in Purgatory located in






O nome oficial da igreja é o Sagrado Coração de Jesus em Prati, mas o nome dado como é o familiar é Igreja do Sagrado Coração do Sufrágio localizada na Lungotevere Prati 12, na Itália.




 

A igreja foi construída pela a Associação do Sagrado Coração de Jesus pelo bispo de Marselha, na França.  

Esta confraria foi fundada por um padre francês de Marselha, chamado Victor Jouet, que havia ficado impressionado com um suposto milagre ocorrido no local da atual igreja. 

 Uma pequena capela dedicada a Nossa Senhora do Rosário foi incendiada em 1894, e o único item de sobrevivente foi um fragmento de um mural, ou uma marca de queimadura (fontes diferem) mostrando o rosto de uma alma no purgatório. 

 A construção de uma nova igreja começou em 1894, ao projeto de José Gualandi, antes da nova associação foi reconhecida oficialmente pelo Papa São Pio X em 1913. 

 A igreja foi consagrada em 1 de novembro de 1917, sob o pontificado de Bento XV. 

 O propósito da igreja e da associação é dar auxílio às almas do Purgatório. Père Jouet também coletou provas documentais, depoimentos de testemunhas e artefatos que demonstram eventos supernatural que apontam para a verdade da doutrina do Purgatório, e alguns desses são exibidos no Museu chamado do Purgatório que está em um corredor que leva para a sacristia. 

 Esta linha comprende de armários portas de vidro de parede, que podem ser inspecionadas pelos visitantes da igreja gratuitamente.

 





 Image of Museum of the Holy Souls in Purgatory located in










 Armário com artefatos que segundo testemunhas, seriam de manifestações de almas do Purgatório pedindo oração.




É uma igreja paroquial, agora servida pelos Missionários do Sagrado Coração, que é uma congregação religiosa de origem francesa.
A igreja é em estilo neo-gótico, e foi construída em concreto armado habilmente prestados para olhar como pedra cinza claro com fundo cinza escuro bandas.A fachada é muito ornamentada, e um pouco francês (a maioria das neo-góticas igrejas de Roma são no estilo Lombardic). 

 Há três entradas para a nave e corredores, cada um com um arco ligeiramente apontado encerrando um tímpano, encimado por um frontão e ladeado por pináculos crocketed. A entrada principal é maior, e tem três ordens de colunas de granito. As entradas menores do corredor só tem dois.





 






 Os tímpanos e os frontões esculpiram relevos, a dominante na empena central sendo do Sagrado Coração sendo adorado por anjos.  

















As almas são representadas no frontão da Igreja, logo abaixo da Imagem do Sagrado Coração.




Sobre a entrada principal há uma janela de seis luz contendo rendilhado grande roda no estilo chamativo, mas as janelas menores do corredor tem três luzes cada um com uma cinquefoil. A fachada é ocupada por um incrível número de estátuas de santos. Há sete na nave (com Nossa Senhora no topo, como convém), cada um em seu próprio nicho ornamentado. 

 Mais três estão em cada corredor do teto inclinado, e outras quatro são colocadas, cada uma em grandes pilastras.

O efeito geral é pensado para imitar a catedral de Milão, e a igreja foi apelidado Daí Duomo em Milão Il Piccolo.À direita da igreja é a residência dos Missionários do Sagrado Coração.
A festa do Sagrado Coração de Jesus é comemorado na sexta-feira após o segundo domingo depois de Pentecostes.





 Image of Museum of the Holy Souls in Purgatory located in  | Marks left on a small wooden table and on the sleeve and chemise of the Venerable Mother Isabella Fornari, abbess of the Poor Clares of the Monastery of St. Francis in Todi. The four marks were left by the deceased Fr. Panzini, former Abbot Olivetano of Mantua, on the 1st November 1731.








Marcas deixadas em uma pequena mesa de madeira e na manga e camisa da Venerável Madre Isabella Fornari, Abadessa das Clarissas do Mosteiro de São Francisco, em Todi. As quatro marcas foram deixadas pelo padre falecido. Panzini, o ex-abade Olivetano de Mântua, a 1 de Novembro de 1731.





Image of Museum of the Holy Souls in Purgatory located in  | Fiery finger prints by the deceased Joseph Schitz when he touched with his right hand the (German) prayer book of his brother George on 21 December 1838 at Sarralbe (Lorraine). The deceased man asked for prayer in expiation of his lack of piety during his life on earth. 

Impressões digitais de fogo por parte do falecido José Schitz quando ele tocou com a mão direita o livro de orações (alemão) de seu irmão George em 21 de dezembro de 1838 em Sarralbe (Lorena). O falecido pediu oração em expiação de sua falta de piedade durante sua vida na terra.

Image of Museum of the Holy Souls in Purgatory located in





















































Uma das peças mais impressionantes mostra o que seria a mão de uma freira - morta em 1637 - impressa como se fosse a fogo, no hábito, uma espécie de avental, de uma outra freira. 

Segundo os registros do museu, a irmã Clara Schoelers apareceu no mosteiro beneditino de Winnenberg, na Alemanha, em 1696 -- quase 60 anos depois de sua morte -- e deixou a marca no hábito da freira Margarida Maria Herendorps: 

“Ela chegou envolvida em luz, e para a irmã não ter dúvida de que não era um sonho, ela deixou impressa no avental que estava pendurado no cabide a marca de sua mão queimada com fogo”.










 





Na noite de 21 de junho de 1789, na Bélgica, Giuseppe Leleux foi acordado pela visão da mãe, morta 27 anos antes. 

A mãe teria deixado uma marca impressa na roupa de dormir do filho e pedido que o rapaz mudasse de vida e se convertesse à Igreja. Depois da aparição, Giuseppe fundou uma congregação católica.

















Altar da Igreja do Sagrado Coração do Sufrágio









FONTES:



Nenhum comentário:

Postar um comentário