segunda-feira, 2 de novembro de 2015

A MISSA PELAS ALMAS - BÍBLIA - 3º, 7º e 30º dia

Devemos oferecer Missa pelas almas para que sejam libertas de seus pecados e possam ver a face de Deus no outro mundo, pois ela é a renovação do sacrifício de Jesus feito uma só vez, mas renovado em nossos altares ( Lucas 22,19; I Coríntios 10,16), pois ele vive para interceder (Hebreus 7,25). 

A Bíblia nos diz que assim que morremos somos julgados diante de Deus  (Heb 9,27) e vamos para o céu, o Purgatório (Castigos intermediários, não eternos (Mt 12,32;  I Cor 3, 10-15)) ou para o Inferno (Castigos Eternos, longe de Deus).

Após a morte, as almas devem receber a paga pelo bem ou o mal que fizeram em vida durante o tempo que estavam no corpo (II Coríntios 5, 10), o Purgatório é o destino das que fizeram coisas repreensíveis( Lc 12, 45-48; Mt 5,22.25-26) ,mas não foram condenadas ao inferno, serão salvas passando por uma purificação, o Fogo do Purgatório (I Cor 3, 10-15).

As almas nada podem fazer para sairem mais rápido dessa prisão de purificação (Mt 5,22.25-26), mas nossa intercessão pode ajudá-las a encontrar o perdão para as suas penas (I  Tim 2,1; 2Cor 15,29; Rm 14,8; Gl3,27-28; 1 Jo 5,16).

 Lembremos que as almas pagam suas penas, não seus pecados e que nossas orações ajudarão as que estão no Purgatório, pois as condendas ao Inferno não têm mais salvação. 

Os pecados dos que são salvos já foram perdoados, porém todo pecado acarreta consequências que exigência reparação em vida ou após à morte (1Sam 3,13-14; 4,18; 2 Sam 12,13-14; Jon 1,12; Atos 5,4-5; Mateus 12,32; I Cor 3, 10-15)

Nós, os vivos, é que podemos intercedendo por elas, para alcançar o perdão para os castigos ou penas que elas devem pagar no outro mundo, no que chamamos de Purgatório.

A Bíblia nos diz que nossa intercessão pode alcançar o perdão de Deus para o próximo, como Jó que orava por seus filhos para livrá-los de seus pecados, oferecendo sacrifícios (Jó 1,5).

E tanto o Antigo quanto o Novo Testamento nos fala que judeus e cristãos já oravam pelos mortos:

 "Eis por que ele [Judas Macabeu) mandou oferecer esse sacrifício expiatório pelos que haviam morrido, a fim de que fossem absolvidos de seu pecado" (2Mc 12,46).

"De outra maneira, que intentam aqueles que se batizam em favor dos mortos ? Se os mortos realmente não ressuscitam, por que se batizam por eles? " ( I Cor 15,29) 


  


A Missa, por ser a renovação do sacrifício de Cristo, feito uma só vez, mas eternizado em nossos altares( Lucas 22,19; I Coríntios 10,16), é a maior oração que podemos oferecer para implorar o perdão para as almas, pois foi através da morte e ressurreião de Cristo, que todos fomos salvos.

O costume de orar para que os mortos sejam perdoados de seus pecados é antigo na Igreja e bíblico, como nos diz São Paulo:

"De outra maneira, que intentam aqueles que se batizam em favor dos mortos ? Se os mortos realmente não ressuscitam, por que se batizam por eles? " ( I Cor 15,29)

Rezar e oferecer sacrifícios em sufrágios pelos mortos é justo e necessário, pois "quer vivos ou mortos pertencemos ao Senhor" (Rm 14,8).

Os sacrifícios que podemos oferecer são a Missa ( o mais importante), nosso culto principal (Rom 12,1-3) onde oferecemos o louvor dos lábios que tmabém é um sacrifício (Heb 13,15-16) e o do próprio Cristo

Os sacrifícios que devemos oferecer, além da Missa,  são a oração, o amor, as boas obras, esmolas , penitências, sofrimentos e martírio (Mc 12,33; Sl 50,14;  Sl 50,23;  Heb 13,15-16; Rom 12,1-3; Sl 51,17;  Fil 2,17; Fil 4,18; 1 Ped 4,8; At 10,31; At 10,4; Lc 12,33; Eclo 7,37 ; Lc 11,41; Mat 6,4; Tob 12, 8-9)




MISSA DE SETE DIAS:

A Missa de sete dias é uma tradição católica brasileira, mas que também encontramos respaldo bíblico:

 “fizeram um funeral grandioso e solene e José guardou por seu pai um luto por sete dias” (Gn, 50, 10).
Os sete dias nos lembram que Deus fez o mundo e descansou no sétimo dia (Gênesis 2, 2), assim como esperamos descansar desta vida em Deus. São Paulo chama a morte de descanso sabático, pois descansaremos de nossas obras em Deus:


"Assim, ainda resta um descanso sabático para o povo de Deus;
pois todo aquele que entra no descanso de Deus, também descansa das suas obras, como Deus descansou das suas.
Portanto, esforcemo-nos por entrar nesse descanso, para que ninguém venha a cair, seguindo aquele exemplo de desobediência."
Hebreus 4:9-11

O primeiro livro de Samuel afirma que, por ocasião da morte do rei Saul, seus comparsas guerreiros, numa cerimônia fúnebre, queimaram seu corpo e depois enterraram os ossos debaixo de uma árvore, fazendo um jejum de sete dias (1 Sm, 31, 13).

 Outras duas passagens bíblicas que refere a morte e seus sete dias posteriores estão nos livros de Judite e Eclesiástico. 

O primeiro afirma que, quando morreu Judite, a heroína do povo hebreu, os israelitas fizeram luto por sete dias (Jd 16, 24) e o livro do Eclesiástico afirma que “o luto pelo morto duram sete dias” (Eclo, 22, 11).

Eclesiástico 22:
"10. Chora sobre um morto, porque ele perdeu a luz; chora sobre um tolo, porque é falho de juízo.
11. Chora menos sobre um morto, porque ele achou o repouso;
12. a vida criminosa do mau, porém, é pior do que a morte.
13. O luto por um morto dura sete dias, mas por um insensato e um ímpio, dura toda a sua vida."


MISSA DO 3º DIA, DO 7º DIA E DO 30º DIA:


 A celebração no 3º dia depois da morte é motivada pela ressurreição de Jesus Cristo ao terceiro dia. 

A celebração do 7º dia é associada à criação operada por Deus ao longo de seis dias, sendo que no sétimo descansou.

"Deus concluiu no sexto dia a obra que fizera. E no sétimo dia descansou, depois de toda a obra que fizera", afirma a Bíblia (Gn 2,2). No dia, pois, em que Deus descansou temos o ensejo de pedir a Deus pela pessoa querida, para que descanse em paz.

No 30º dia ou no aniversário de um ano de falecimento, não há associações especiais. Simplesmente são datas que sinalizam a marcha do tempo que vai passando. A saudade, entretanto, está presente no coração de quem fica, porém, no Livro do Deuteronômio, Capitulo 34 Versos 8 diz: 

 "Os israelitas choraram Moisés nas planícies durante 30 DIAS".

O que podemos entender que neste 30º dia encerrava-se o "luto" por Moisés, e houve também uma espécie de celebração fúnebre.







2 comentários: