quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

ORAÇÃO PARA O NOVO ANO 2015


Obrigado Senhor pela vida, pelo ar que respiro, por ter minha família, saúde, sobrinhos, por minhas irmãs, pela saúde de minha mãe, por ela ter tido alta do hospital.
Obrigado por todas as conquistas do ano que acabou, pelos amigos novos, pelos antigos. Obrigado pelas conquistas e felicidades de cada um deles.
Obrigado pelos cinco sentidos, por poder escrever e ler, pensar, rezar, pelas Missas que assisti, pelos momentos em que minha alma esteve em tua presença e o mundo parou para mim e para ti.
Obrigado por me guiares, pelo que tenho, pelo o que não tenho e pelo o que terei conforme seja tua vontade.
Obrigado porque a cada dia aprendo a lição da pobreza, da humildade, do recomeço, do auto-avaliar-se, do vigiar-se.
Obrigado pelo perdão, aquele que me dás, aquele que me dou, aquele que concedo, pois sou imperfeito de todas as maneiras possíveis e improváveis.
Agora, preciso de ti para recomeçar tudo o que o calendário gregoriano propõe, tudo o que o sol, a lua, as estrelas e o tempo do sopro da vida em meu peito marcarem.
Preciso de ti para ser melhor, para aceitar o que não posso mudar, para ser resignado, para ser paciente, para ser disponível ao outro, para dar tempo ao nada produtivo, para dar tempo ao trabalho exigente, para ser mais sensível às carências alheias, para ser menos egoísta...
Preciso de ti para aprender a caminhar, pois o caminho trilhado ao teu lado, ao lado do bem, da doação e do equilíbrio, é  a felicidade.
Não preciso de sorte, de banhos para abrir caminhos....
Todos os meus caminhos estão abertos por ti, mas o problema é enxergá-los, discerni-los ou aceitá-los.
Tudo eu tenho em mim por causa de ti. Tudo o que me basta. Só me falta andar sempre ao teu lado e, às vezes, não é fácil, pois tu escreves trilhas que parecem estranhas, tristes ou difíceis de aceitar, como a cruz.  Trilhas ou destinos que só o futuro virá a nos revelar que sempre é o melhor para nós.
Que a serenidade daqueles que amam no céu esteja comigo e me ensinem a ser tolerante.
Que a pureza Daquela que te amou e de quem tiraste teu corpo imaculado possa me envolver para que eu me purifique.
Que em cada momento deste novo ano eu não espere a felicidade, mais a viva sem pensar  nela, a respire sem me incomodar com ela, a abrace sem me sufocar nela, a espalhe sem me ensoberbecer com ela. Que a felicidade não seja para mim um momento, mas um caminhar, um estar, um ser e não um ter. Que eu não aceite a felicidade que o mundo dá, mas apenas aquela que ele não quer e nem pode enxergar.