sábado, 31 de maio de 2014

Onde está escrito, na Bíblia, que Maria é a Rainha do Céus? Bíblia Católica






Na Bíblia está escrito que Jesus é o Rei dos Céus e Maria a sua Mãe (Atos 1,14), logo ela é a Rainha Mãe, pois todo Rei nasce de uma Rainha (Lucas 1,31-32).




E na Escritura diz que Jesus herdou o trono de Davi por ter  sangue dele, sangue real que veio através de Maria.

Maria é Rainha, pois é Mãe do Rei e Senhor, assim é a Rainha Mãe:





"E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e pôr-lhe-ás o nome de Jesus.
Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai;"
(Lucas 1,31-32)

A Bíblia também diz que o Rei Salomão coroou sua mãe Betsabé como Rainha, a Rainha Mãe. 
 Jesus, como filho exemplar, mais do que Salomão, Rei dos Céus, não pode fazer menos que ele:

19. Betsabé foi, pois, ter com o rei para falar-lhe em favor de Adonias. O rei levantou-se para ir-lhe ao encontro, fez-lhe uma profunda reverência e sentou-se no trono. Mandou colocar um trono para a sua mãe, e ela sentou-se à sua direita:
20. Tenho um pequeno pedido a fazer-te, disse ela; não mo recuses. Pede, minha mãe, respondeu o rei, porque nada te recusarei.
(I Reis 2)


Nas escrituras, também temos o relato do amor do Rei Assuero por Ester, que simboliza o amor de Deus por Maria.

Ela alcançou graça aos seus olhos mais do que todas as mulheres e virgens:

"E o rei amou a Ester mais do que a todas as mulheres, e alcançou perante ele graça e benevolência mais do que todas as virgens; e pôs a coroa real na sua cabeça, e a fez rainha em lugar de Vasti."
Ester 2,16-17

O mesmo relato encontramos em Maria que alcançou "graça diante de Deus" (Lucas 1,30)   era "Virgem" (Lucas 1,27) e foi proclamada "Bendita entre as mulheres" (Lucas 1,42) pelo próprio Espírito Santo através da boca de Santa Isabel. Maria, a Mulher da Graça, foi colocada no lugar de Eva, a Mulher do pecado, do mesmo modo que Ester foi colocada no lugar da rainha Vasti. 
Por isso, e muito mais, assim como Ester, merece o título de Rainha. 


São João, no Apocalipse, fala do povo fiel, da Igreja, comparando-a a Maria, e mostrando que ela é Rainha:

"1. Apareceu em seguida um grande sinal no céu: uma Mulher revestida do sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas.5. Ela deu à luz um Filho, um menino, aquele que deve reger todas as nações pagãs com cetro de ferro. Mas seu Filho foi arrebatado para junto de Deus e do seu trono."
(Apocalipse 12,1.5)

Os protestantes teimam em dizer que essa não é Maria, mas apenas simboliza a Igreja. 

Eles não querem aceitar  que São João, o discípulo que cuidou da Mãe do Senhor (João 19,27), falou da Igreja, mas também falou de Maria, pois a figura das duas se fundem no texto do Apocalipse e a menção a Maria é clara:

Foi Maria quem deu à luz a Jesus:
"Ela deu à luz um Filho, um menino,... " (Apo 12,5)

O Filho de Maria, Jesus, que foi elevado aos céus:
"Mas seu Filho foi arrebatado para junto de Deus e do seu trono." (Apo 12,5)

Por que São João mistura a imagem de Maria com a da Igreja?

Porque Maria é a Virgem feita Igreja, pois foi o Templo mais perfeito de Deus Trindade Santa: filha do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo (Lucas 1,35).

Os protestantes também afirmam que a Rainha dos Céus era uma deusa e é um título pagão, por isso é errado chamar Maria de Rainha, mas esquecem que o rei pagão da Babilônia, Nabucodonosor, é chamado de rei dos reis por Daniel (Daniel 2,37) e isso não impede que Jesus receba o mesmo título (Apo. 17,14; 19,16).

Os protestantes usam o texto bíblico de Jeremias 7,18; 44,18-25 erradamente para tentar diminuir o papel da Mãe de Jesus na História da Salvação:

"Mas desde que cessamos de queimar incenso à rainha dos céus, e de lhe oferecer libações, tivemos falta de tudo, e fomos consumidos pela espada e pela fome." (Jeremias 44,18)

"E quando nós queimávamos incenso à rainha dos céus, e lhe oferecíamos libações, acaso lhe fizemos bolos, para a adorar, e oferecemos-lhe libações sem nossos maridos?" (Jeremias 44,19)


"Assim fala o Senhor dos Exércitos, Deus de Israel, dizendo: Vós e vossas mulheres não somente falastes por vossa boca, senão também o cumpristes por vossas mãos, dizendo: Certamente cumpriremos os nossos votos que fizemos de queimar incenso à rainha dos céus e de lhe oferecer libações; confirmai, pois, os vossos votos, e perfeitamente cumpri-os." (Jeremias 44,25)

Os textos acima dentro do seu contexto se referem a uma deusa pagã e não à Virgem Maria, Rainha dos Céus.

Assim como o texto de Daniel se refere a Nabucodonosor (Daniel 2,37) e não a Jesus o Rei dos Céus. 

A Virgem Maria é a Rainha dos Céus, mas não é uma deusa, é apenas a humana mais Santa, a Escolhida entre todas as mulheres, a Única que conviveu com Jesus antes de seu nascimento (Lucas 1,35) até sua ascensão e a Vinda do Espírito Santo (Atos 1,14) . 

Ela esteve presente na maior parte da vida do Senhor, praticou a Palavra de Deus de forma exemplar (Lucas 11,28), nunca duvidou (Lucas 1,20;38) , jamais perdeu a fé, nem nunca desistiu (João 19,25), possui laços sanguíneos e afetivos que ninguém jamais terá com Jesus. 

Por tudo isso, e muito mais, ela é a mais Santa de todos os habitantes celestes e merece o título de Rainha, pois mais do que isso ela já recebeu: Jesus.

O Salmo 45 também menciona de forma profética a realeza de Maria ao dizer:



"As filhas dos reis estavam entre as tuas ilustres mulheres; à tua direita estava a rainha ornada de finíssimo ouro de Ofir."
Salmos 45,8-9




"Então o rei se afeiçoará da tua formosura, pois ele é teu Senhor; adora-o."
Salmos 45,10-11










Deus se afeiçoou da formosura de Maria e Ela achou graça diante dele:


"Disse-lhe, então, o anjo: Maria, não temas, porque achaste graça diante de Deus."
Lucas 1,29-30






Diz os Salmos:

A filha do rei é toda ilustre lá dentro; o seu vestido é entretecido de ouro.
Salmos 45,12-13











Maria é a Casa de ouro (I Crônicas 29,2), pois foi morada do Senhor e é a Mulher do Apocalipse vestida de sol:

"1. Apareceu em seguida um grande sinal no céu: uma Mulher revestida do sol..." (Apocalipse 12,1)

Ainda diz os Salmos:

Em lugar de teus pais estarão teus filhos; deles farás príncipes sobre toda a terra.
Salmos 45,16


E o Apocalipse diz que Maria é a Mãe de todos "que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus" (Apocalipse 12,17), fazendo de nós príncipes.

Outra comparação que podemos perceber é que no Evangelho Maria profetiza:

"Pois eis que desde agora todas as gerações me chamarão bem-aventurada,"
Lucas 1,48


 E os Salmos diz:


"Farei lembrado o teu nome de geração em geração; por isso os povos te louvarão eternamente."
Salmos 45,16-17



Não é idolatria chamar Maria de Rainha, pois o Senhor nos fez um  povo de reis e sacerdotes

Os Apóstolos receberão tronos (Mateus 19,28; Lucas 22,30). Os Santos estão assentados em seus tronos (Apocalipse 11,16). Os Santos reinam com Cristo (Apocalipse 20,4). 

Todos receberemos uma coroa de glória se perseverarmos na fé em santidade até a morte (Apocalipse 2,10; Pedro 5,4; I Coríntios 9,25; 2 Timóteo 4,8)

Se todos os santos recebem a coroa da glória, com certeza a da Mãe do senhor é a mais bela, e por isso recorremos à intercessão dela pedindo que ore, rogue por nós, pois diz a Bíblia:

"...os ricos do povo suplicarão o teu favor." (Salmos 45,12)

Assim como a rainha Ester pediu por seu povo diante do rei, Maria, Rainha dos Santos, pede por seu povo diante de Cristo, o Rei do Universo.
Como toda Rainha, seu poder é o da intercessão, do amor.



Algumas fontes:
http://www.apologistascatolicos.com.br/index.php/apologetica/virgem-maria/542-maria-a-rainha-dos-ceus-e-o-livro-de-jeremias-jer-718-447-19-4425

domingo, 25 de maio de 2014

A GRANDEZA E PODER DA INTERCESSÃO CATÓLICA - A COMUNHÃO DOS SANTOS



Fico muitas vezes pensando na grandiosidade que temos de ser católicos. E como muitos ignoram essa fé.

Para nós, católicos, a morte não acaba com nossa alma (Mateus 10,28), a morte é um encontro com o Senhor (Filipenses 1,23; II Coríntios 5,6-7). 






Se tivermos ainda pecados veniais, leves, Jesus nos purifica, nos salva fazendo-nos passar pelo Purgatório (I Coríntios 3,14-15). 

Se estivermos totalmente puros, entramos no Paraíso, assim como o Bom Ladrão, purificado por um verdadeiro arrependimento e indulgenciado por morrer ao lado do Senhor (Lucas 23,42; II Coríntios 5,1).



A grandiosidade de nossa fé nos revela que a morte corporal  não põe fim a nossa vida espiritual em Cristo (Romanos 14,8), nem nos afasta de nossos irmãos na terra (I Pedro 1,13-15; Apocalipse 5,8).


A INTERCESSÃO CATÓLICA CONTINUA APÓS A MORTE:

Eis a grandiosidade da intercessão católica. Nós cremos na vida eterna e na comunhão dos Santos, como rezamos no Credo, durante a Santa Missa, ou ao rezar o terço.

Enquanto que os protestantes interpretam errado a citação (I Timóteo 2,5) dizendo que só Jesus é nosso Mediador - Intercessor, a Bíblia diz que o Espírito também é nosso Intercessor (Romanos 8,26).

 Nós, os Santos e Maria somos intercessores também (Romanos 10,1;15,30; Filipenses 1,19; Lucas 16,19ss; II Coríntios 5,9; I Tessalonicenses 5,10; Hebreus 11,4; Apocalipse 5,8; 6, 9-11; 7,15). 

Esquecem eles de ler a Bíblia como um todo percebendo que Jesus é nosso Único Mediador da Salvação (Hebreus 8,6).

 E que na mesma passagem em que o Apóstolo faz essa afirmação ele também diz que somos mediadores - intercessores (I Timóteo 2,1).

Enquanto os protestantes creem que só podemos orar em vida, nós cremos que continuamos orando e louvando no céu, como São João Evangelista diz no Apocalipse (5,8; 6,9-11; 7,15; 14,1-5). 










Enquanto os protestantes dizem que não se pode orar aos que morreram em santidade, nós acreditamos que o amor de Cristo venceu a morte.

 Para os que adormeceram no Senhor, a morte não existe ( Romanos 8, 38-39), pois eles buscam agradar ao Senhor mesmo na outra vida, louvando, intercedendo, orando (II Coríntios 5,9; Hebreus 11,4;  Apocalipse 7,15).

Enquanto os protestantes creem na visão judaica do Antigo Testamento, na qual os mortos nada podem, nada veem, não louvam, apenas dormem, nós, católicos, cremos na revelação do Novo Testamento.

Revelação na qual os mortos em santidade participam do governo celeste com Cristo (Apocalipse 4,5; 5,8), intercedendo, louvando, acompanhando o Cordeiro, onde quer que vá (Apocalipse 14,4). 

Cremos como São Paulo, que vamos ao encontro do Senhor assim que morremos (Filipenses 1,23).

Enquanto que os protestantes creem que os Santos vivem uma realidade mortal como a da terra e, por isso, não podem ouvir milhões de orações, nós, católicos, cremos que a realidade dos Santos ultrapassa a nossa condição humana, pois

 "o que os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram, nem o coração humano imaginou, Deus tem preparado para aqueles que o amam" ( I Coríntios 2,9).

 E os Santos são "semelhantes a Deus" porquanto o veem como ele é (I João 3,2; Apocalipse 7,15).

Eles já não estão presos a um corpo mortal, mas foram revestidos de imortalidade (II Coríntios 5,1-2. 6-8) e participaram da primeira ressurreição, o Batismo (Colossenses 2,12).

Enquanto que os espíritas e outras religiões creem na reencarnação para aperfeiçoar seu espírito, nós, católicos, cremos na redenção operada por Cristo.

Redenção que lava todos os nossos pecados e sabemos que só Ele nos faz perfeitos ( Romanos 3,24; I Timóteo 2,5-6; Mateus 20,28). 

Não precisamos reencarnar, mas apenas nos arrepender, fazer penitência e praticar os mandamentos do Senhor.

 Assim que morremos, somos recebidos por Deus na vida eterna, aguardando a ressurreição do último dia.  

Sabendo que por nossas próprias forças, sem a graça e misericórdia de Deus jamais seremos salvos, pois só Deus é Bom (Mateus 19,17).

Enquanto que os protestantes confundem qualquer expressão de devoção e amor (Atos 5,15-16; 19,11-12) com idolatria, nós, católicos, sabemos que invocar os Santos só demonstra adoração a Deus.

 Pedimos que os Santos orem por nós, reconhecendo que eles nada podem por si mesmos (II Coríntios 1,11; Filipenses 1,19), mas vivem pedindo junto Daquele que tudo pode.







Invocar aos Santos mostra humildade, nosso reconhecimento de que somos pecadores, nossa fé na ressurreição que começa agora em nossas vidas pelo batismo (Colossenses 2,12; Gálatas 3,27; Romanos 6, 8-10).

Invocar aos Santos mostra caridade, crendo que um deve ajudar o outro no caminho da salvação (Gálatas 6,2). 

Além de que orar invocando os nomes dos Santos e seus méritos para alcançar misericórdia diante de Deus ser totalmente bíblico (Êxodo 32,13; Salmos 105,42; 131,10; 2 Reis 2,14, 13,23; Mateus 27, 46-49; Lucas 16, 24).

Enquanto os protestantes confundem a invocação dos Santos com Evocação dos mortos, nossa fé católica nos ensina que posso pedir oração a um irmão santo, pois todos vivem para Deus (Lucas 20,38).

Participamos do mesmo corpo de Cristo, que está vivo, logo todos estamos vivos nele, e o que a Bíblia proíbe é pedir que os espíritos se manifestem, incorporações e práticas de necromancia (Deuteronômio 18,10-13).

Enquanto os protestantes esperam pela ressurreição do último dia para falar com seus familiares queridos, nós, católicos, pela fé de que somos um só corpo em Cristo, que vive para interceder,  e de que a morte não tem poder sobre os que são do Senhor (Romanos 8,38-39;II Coríntios 5,9), sabemos que podemos, hoje e a qualquer momento, orar por todos que amamos (I Coríntios 15,29).

 Cremos que os que nos precedem no céu nos envolvem como numa nuvem de testemunhas orando por nós também (Hebreus 11,4; 12,1).


Enquanto que os protestantes creem numa fé surgida por meio de homens depois de 1500 anos de Cristo e seus Apóstolos, nós, católicos, cremos numa fé que vem desde os Apóstolos e seus sucessores, os Bispos (Judas 1,3).

Foram os Bispos que zelaram para que a fé cristã nunca deixasse de crer na vida eterna em Cristo e na intercessão contínua de seus Santos mártires e fiéis (II Timóteo 2,2).

Fé na intercessão dos Santos que só foi questionada mais de 1500 anos depois de que o Cristianismo já existia.

E que nunca deixou nem deixará de existir no coração daqueles que experimentam o poder da intercessão dos Santos servos de Deus.

Louvado seja Deus, Pai, Filho e Espírito Santo por fé tão grandiosa.

 Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo por sempre proteger sua Igreja e transformar males em benefícios, espinhos em rosas, e tirar do mal o bem com o poder de sua cruz.

Que o coro dos Bem-aventurados Mártires,
Virgens, Confessores, Santos e Santas 
intercedam por nós e por todo o mundo, 
junto com todos os serafins, querubins, 
arcanjos, anjos, 
tronos, dominações , virtudes, 
principados e potestades.

E que a Senhora,
 Mãe de Deus, 
Rainha dos céus, 
interceda por todos nós,
 pelo mundo e pela Igreja.
Amém. Amém. Amém. 
Aleluia. Aleluia. Aleluia.



quarta-feira, 21 de maio de 2014

MÚSICA CATÓLICA - -CHAMADO - Clipe-Adriana






Acho linda essa música e creio ser apropriada para a Liturgia da Missa do Sagrado Coração de Jesus.
O clero da Igreja, os Bispos e padres, precisam valorizar mais nossos cantores leigos e divulgá-los, pois eles são uma grande chance da Igreja de dialogar com o mundo, cada vez mais laico.
A Igreja precisa valorizar mais a música em sua liturgia, com grupos e bandas afinados, animados, que se preparem e se empenhem em servir nesse ministério.

Chamado
Adriana

Se cansado estás de caminhar, se uma solidão agora quer te acompanhar
E a dor até quer te dominar, dê um basta aqui é o teu lugar
Então vem, tem alguém que quer te abraçar
Te acolher nos seus braços e te consolar
Ele é a solução de tudo
Ele é Jesus a tua Salvação
Teu lugar é no seu coração
Deixa Jesus curar tudo que passou, 
teus pecados, tua vida e o teu interior
Ele é o Dom do amor deixa te tocar 
no seu coração podes repousar
Então vem, tem alguém que quer te abraçar
Te acolher nos seus braços e te consolar
Ele é a solução de tudo
Ele é Jesus a tua Salvação
Teu lugar é no seu coração
Então vem, tem alguém que quer te abraçar
Te acolher nos seus braços e te consolar
Ele é a solução de tudo
Ele é Jesus a tua Salvação
Teu lugar é no seu coração
Então vem, tem alguém que quer te abraçar
Te acolher nos seus braços e te consolar
Ele é a solução de tudo
Ele é Jesus a tua Salvação
Teu lugar é no seu coração

segunda-feira, 19 de maio de 2014

POR QUE OS CATÓLICOS COROAM MARIA RAINHA? MÊS DE MAIO - COROAÇÃO DE MARIA É BÍBLICA






Nossa Senhora usa uma coroa, pois é Mãe do Rei e Senhor, assim é Mãe Rainha:

"E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e pôr-lhe-ás o nome de Jesus.
Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai;"
(Lucas 1,31-32)







O Rei Salomão coroou sua mãe Betsabé como Rainha, a Rainha Mãe.  Jesus, como filho exemplar, Rei dos Céus, não pode fazer menos que ele:

19. Betsabé foi, pois, ter com o rei para falar-lhe em favor de Adonias. O rei levantou-se para ir-lhe ao encontro, fez-lhe uma profunda reverência e sentou-se no trono. Mandou colocar um trono para a sua mãe, e ela sentou-se à sua direita:
20. Tenho um pequeno pedido a fazer-te, disse ela; não mo recuses. Pede, minha mãe, respondeu o rei, porque nada te recusarei.
(I Reis 2)





Na Bíblia, também temos o relato do amor do Rei Assuero por Ester. 

Ela alcançou graça aos seus olhos mais do que todas as mulheres e virgens. O mesmo relato encontramos em Maria que alcançou "graça diante de Deus" (Lucas 1,30)   era "Virgem" (Lucas 1,27) e foi proclamada "Bendita entre as mulheres" (Lucas 1,42) pelo próprio Espírito Santo através da boca de Santa Isabel e, por isso, assim como Ester, merece o título de Rainha. 
Eis um trecho do livro de Ester:

"E o rei amou a Ester mais do que a todas as mulheres, e alcançou perante ele graça e benevolência mais do que todas as virgens; e pôs a coroa real na sua cabeça, e a fez rainha em lugar de Vasti."

Ester 2,16-17









São João, no Apocalipse, fala do povo fiel, da Igreja, comparando-a a Maria, e mostrando que ela é Rainha:



"1. Apareceu em seguida um grande sinal no céu: uma Mulher revestida do sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas.5. Ela deu à luz um Filho, um menino, aquele que deve reger todas as nações pagãs com cetro de ferro. Mas seu Filho foi arrebatado para junto de Deus e do seu trono."
(Apocalipse 12,1.5)











"À vossa direita se encontra a rainha 

Com veste esplendente de ouro de Ofir"

Salmo 44




Na Bíblia está escrito que Jesus é o Rei dos Céus e Maria a sua Mãe (Atos 1,14), logo ela é a Rainha Mãe, pois todo Rei nasce de uma Rainha (Lucas 1,31-32).




E na Escritura diz que Jesus herdou o trono de Davi por ter  sangue dele, sangue real que veio através de Maria.

Maria é Rainha, pois é Mãe do Rei e Senhor, assim é a Rainha Mãe (Lucas 1,31-32)

A Bíblia também diz que o Rei Salomão coroou sua mãe Betsabé como Rainha, a Rainha Mãe. 
 Jesus, como filho exemplar, mais do que Salomão, 

O Rei dos Céus, não pode fazer menos que ele (I Reis 2, 19-20)


Nas escrituras, também temos o relato do amor do Rei Assuero por Ester, que simboliza o amor de Deus por Maria (Ester 2,16-17).

Ela alcançou graça aos seus olhos mais do que todas as mulheres e virgens.


O mesmo relato encontramos em Maria que alcançou "graça diante de Deus" (Lucas 1,30)   era "Virgem" (Lucas 1,27) e foi proclamada "Bendita entre as mulheres" (Lucas 1,42) pelo próprio Espírito Santo através da boca de Santa Isabel. Maria, a Mulher da Graça, foi colocada no lugar de Eva, a Mulher do pecado, do mesmo modo que Ester foi colocada no lugar da rainha Vasti. 

Por isso, e muito mais, assim como Ester, merece o título de Rainha. 


São João, no Apocalipse, fala do povo fiel, da Igreja, comparando-a a Maria, e mostrando que ela é Rainha (Apocalipse 12,1.5).

Os protestantes teimam em dizer que essa não é Maria, mas apenas simboliza a Igreja. 

Eles não querem aceitar  que São João, o discípulo que cuidou da Mãe do Senhor (João 19,27), falou da Igreja, mas também falou de Maria, pois a figura das duas se fundem no texto do Apocalipse e a menção a Maria é clara:

Foi Maria quem deu à luz a Jesus:
"Ela deu à luz um Filho, um menino,... " (Apo 12,5)

O Filho de Maria, Jesus, que foi elevado aos céus:
"Mas seu Filho foi arrebatado para junto de Deus e do seu trono." (Apo 12,5)

Por que São João mistura a imagem de Maria com a da Igreja?

Porque Maria é a Virgem feita Igreja, pois foi o Templo mais perfeito de Deus Trindade Santa: filha do Pai, Mãe do Filho e Esposa do Espírito Santo (Lucas 1,35).

Os protestantes também afirmam que a Rainha dos Céus era uma deusa e é um título pagão, por isso é errado chamar Maria de Rainha, mas esquecem que o rei pagão da Babilônia, Nabucodonosor, é chamado de rei dos reis por Daniel (Daniel 2,37) e isso não impede que Jesus receba o mesmo título (Apo. 17,14; 19,16).

Os protestantes usam o texto bíblico de Jeremias 7,18; 44,18-25 erradamente para tentar diminuir o papel da Mãe de Jesus na História da Salvação:

"Mas desde que cessamos de queimar incenso à rainha dos céus, e de lhe oferecer libações, tivemos falta de tudo, e fomos consumidos pela espada e pela fome." (Jeremias 44,18)

"E quando nós queimávamos incenso à rainha dos céus, e lhe oferecíamos libações, acaso lhe fizemos bolos, para a adorar, e oferecemos-lhe libações sem nossos maridos?" (Jeremias 44,19)


"Assim fala o Senhor dos Exércitos, Deus de Israel, dizendo: Vós e vossas mulheres não somente falastes por vossa boca, senão também o cumpristes por vossas mãos, dizendo: Certamente cumpriremos os nossos votos que fizemos de queimar incenso à rainha dos céus e de lhe oferecer libações; confirmai, pois, os vossos votos, e perfeitamente cumpri-os." (Jeremias 44,25)

Os textos acima dentro do seu contexto se referem a uma deusa pagã e não à Virgem Maria, Rainha dos Céus.

Assim como o texto de Daniel se refere a Nabucodonosor (Daniel 2,37) e não a Jesus o Rei dos Céus. 

A Virgem Maria é a Rainha dos Céus, mas não é uma deusa, é apenas a humana mais Santa, a Escolhida entre todas as mulheres, a Única que conviveu com Jesus antes de seu nascimento (Lucas 1,35) até sua ascensão e a Vinda do Espírito Santo (Atos 1,14) . 

Ela esteve presente na maior parte da vida do Senhor, praticou a Palavra de Deus de forma exemplar (Lucas 11,28), nunca duvidou (Lucas 1,20;38) , jamais perdeu a fé, nem nunca desistiu (João 19,25), possui laços sanguíneos e afetivos que ninguém jamais terá com Jesus. 

Por tudo isso, e muito mais, ela é a mais Santa de todos os habitantes celestes e merece o título de Rainha, pois mais do que isso ela já recebeu: Jesus.

O Salmo 45 também menciona de forma profética a realeza de Maria ao dizer:



"As filhas dos reis estavam entre as tuas ilustres mulheres; à tua direita estava a rainha ornada de finíssimo ouro de Ofir."
Salmos 45,8-9




"Então o rei se afeiçoará da tua formosura, pois ele é teu Senhor; adora-o."
Salmos 45,10-11











Deus se afeiçoou da formosura de Maria e Ela achou graça diante dele:


"Disse-lhe, então, o anjo: Maria, não temas, porque achaste graça diante de Deus."
Lucas 1,29-30






Diz os Salmos:

A filha do rei é toda ilustre lá dentro; o seu vestido é entretecido de ouro.
Salmos 45,12-13











Maria é a Casa de ouro (I Crônicas 29,2), pois foi morada do Senhor e é a Mulher do Apocalipse vestida de sol:

"1. Apareceu em seguida um grande sinal no céu: uma Mulher revestida do sol..." (Apocalipse 12,1)

Ainda diz os Salmos:

Em lugar de teus pais estarão teus filhos; deles farás príncipes sobre toda a terra.
Salmos 45,16


E o Apocalipse diz que Maria é a Mãe de todos "que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus" (Apocalipse 12,17), fazendo de nós príncipes.

Outra comparação que podemos perceber é que no Evangelho Maria profetiza:

"Pois eis que desde agora todas as gerações me chamarão bem-aventurada,"
Lucas 1,48


 E os Salmos diz:


"Farei lembrado o teu nome de geração em geração; por isso os povos te louvarão eternamente."
Salmos 45,16-17



Não é idolatria chamar Maria de Rainha, pois o Senhor nos fez um  povo de reis e sacerdotes

Os Apóstolos receberão tronos (Mateus 19,28; Lucas 22,30). Os Santos estão assentados em seus tronos (Apocalipse 11,16). Os Santos reinam com Cristo (Apocalipse 20,4). 

Todos receberemos uma coroa de glória se perseverarmos na fé em santidade até a morte (Apocalipse 2,10; Pedro 5,4; I Coríntios 9,25; 2 Timóteo 4,8)

Se todos os santos recebem a coroa da glória, com certeza a da Mãe do senhor é a mais bela, e por isso recorremos à intercessão dela pedindo que ore, rogue por nós, pois diz a Bíblia:

"...os ricos do povo suplicarão o teu favor." (Salmos 45,12)

Assim como a rainha Ester pediu por seu povo diante do rei, Maria, Rainha dos Santos, pede por seu povo diante de Cristo, o Rei do Universo.
Como toda Rainha, seu poder é o da intercessão, do amor.





domingo, 18 de maio de 2014

"VÃS REPETIÇÕES" É ERRO DE TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO PROTESTANTE



A Bíblia tem Orações repetitivas? Sim! 

Leia: Números 6,22-27; Salmos 105(106), 106 (107);  117 (118); Isaías 6,3; Mateus 26,44; Marcos 14,39; Apocalipse 4,8-11; 15,3-4









A tradução protestante, no caso, é falsificada. 

Não se trata de orações repetitivas e sim orações com multiplicação de palavras, que levam em conta a loquacidade, acham que vão convencer a Deus por palavras bonitas. 

Cristo nos alerta que o importante é a intenção e a pureza do coração e não as palavras bonitas.

Compare as traduções:

Protestante:   E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos.

Católica:           Nas vossas orações, não multipliqueis as palavras, como fazem os pagãos que julgam que serão ouvidos à força de palavras.




Original Grego: 

"προσευχόμενοι δὲ μὴ βατταλογήσητε ὥσπερ οἱ ἐθνικοί, δοκοῦσιν γὰρ ὅτι ἐν τῇ πολυλογίᾳ αὐτῶν εἰσακουσθήσονται. Transliterado: proseucomenoi de mh battologhshte wsper oi eqnikoi dokousin gar oti en th polulogia autwn eisakousqhsontai"

"βατταλογήσητε" tem a acepção de gaguejar, isto é, (por conseqüência) tagarelar tediosamente, isto é, FICAR FALANDO, FALANDO exatamente como fazem alguns protestantes. 

Nada, portanto de "vãs repetições" como adulteram os protestantes para perseguir e condenar os católicos.