segunda-feira, 28 de outubro de 2013

EXEMPLOS FIGURATIVOS BÍBLICOS DO PURGATÓRIO













Quando rezava o Ofício as Almas do Purgatório, que é cheio de símbolos, me questionava a respeito dos trechos que se referem a Manassés e Absalão, comparando-os com a situação das almas que já estão salvas, mas passam pelo fogo da purificação descrito por São Paulo (I Cor 3,15), ao qual chamamos de Purgatório.

Sobre Manassés, lemos que ele foi castigado por seus pecados (II Cron 33, 1-11) e mandado para o exílio da Babilônia, longe de sua pátria.

Essa imagem é usada para nos lembrar que as almas, por conta das penas de seus pecados ainda não purificados em vida, estão longe de sua pátria verdadeira (Heb 11,16), o céu, presas até que paguem o último centavo ( Mat 5,22.25-26; I Ped 3,18-19),  aguardando a libertação de suas penas para entrarem na Jerusalém celeste ( Heb 12,22; Apo 21,1-2), o céu.

Vejamos o trecho da Bíblia ( II Crônicas 33, 11-13) que cita Manassés:

"11 Pelo que o Senhor trouxe sobre eles os comandantes do exército do rei da Assíria, os quais prenderam Manassés com ganchos e, amarrando-o com cadeias de bronze, o levaram para Babilônia.
12 E estando ele angustiado, suplicou ao Senhor seu Deus, e humilhou-se muito perante o Deus de seus pais;
13 sim, orou a ele; e Deus se aplacou para com ele, e ouviu-lhe a súplica, e tornou a trazê-lo a Jerusalém, ao seu reino. Então conheceu Manassés que o Senhor era Deus."



Sobre Absalão, lemos que foi castigado por seus pecados (II Sam 13, 28-32; 18,31-32)  com a morte (II Sam 18,14) e ficou preso em uma árvore, entre o céu e a terra (II Sam 18,9).

Assim, são as almas que, apesar de salvas, ainda se purificam de seus pecados não expiados em vida, presas até que paguem o último centavo, como disse Jesus (Mat 5,22.25-26):


"Assume logo uma atitude reconciliadora com o teu adversário, enquanto estás a caminho, para não acontecer que o adversário te entregue ao juiz e o juiz ao oficial de justiça e, assim, sejas lançado na prisão.
 Em verdade te digo: dali não sairás, enquanto não pagares o último centavo" 


 Elas estão como que entre o céu e a terra, tal qual Absalão, pois não estão no inferno, já que são salvas (I Cor 3,15), mas não podem ainda entrar na visão beatífica do céu, pois estão ainda enlaçadas às paixões e penas que deveriam purgar na terra.

Vejamos o trecho da Bíblia (2 Samuel 18, 9) que fala sobre Absalão:

"9 Por acaso Absalão se encontrou com os servos de Davi; e Absalão ia montado num mulo e, entrando o mulo debaixo dos espessos ramos de um grande carvalho, pegou-se a cabeça de Absalão no carvalho, e ele ficou pendurado entre o céu e a terra; e o mulo que estava debaixo dele passou adiante." 


Outra figura emblemática que nos mostra a consequência de nossos pecados e a necessidade de purificá-los é o exemplo do castigo de Moisés.

Moisés cometeu um pecado contra Deus, e apesar de ser perdoado foi castigado com a pena de não entrar com o povo de Israel na Terra Prometida (Num 20,12):


"Em seguida, disse o Senhor a Moisés e Aarão: “Porque faltastes à confiança em mim para fazer brilhar a minha santidade aos olhos dos israelitas, não introduzireis esta assembléia na terra que lhe destino.”





Assim, são as almas que morrem na amizade de Deus, mas não cumpriram com todas as penas devidas aos seus pecados, e como Jesus nos ensinou que o perdão também é dado no outro mundo (Mat 12,32), elas devem passar pelo fogo para de algum modo serem salvas ( I Cor 3,15).

Esse fogo de purificação descrito por São Paulo (I Cor 3,15), essa prisão descrita por Cristo (Mat 5,22.25-26) é o Purgatório, como o cárcere das almas descrito por São Pedro (I Ped 3,18-19), no qual as almas, como Moisés, apesar de salvas e de estarem na amizade divina,  apenas avistam de longe a Terra Prometida (Det 34,4) aguardando o momento de comparecerem diante de Deus, puras e irrepreensíveis (Fil 1,10).

Vejamos o trecho da Bíblia (Deuteronômio 34, 1-5) que fala da morte de Moisés e seu castigo de não entrar na Terra prometida:



"Subiu Moisés das planícies de Moab ao monte Nebo, ao cimo do Fasga, defronte de Jericó. O Senhor mostrou-lhe toda a terra, desde Galaad até Dá,

2. todo o Neftali, a terra de Efraim e de Manassés, todo o território de Judá até o mar ocidental,
3. o Negeb, a planície do Jordão, o vale de Jericó, a cidade das palmeiras, até Segor.
4. O Senhor disse-lhe: Eis a terra que jurei a Abraão, a Isaac e a Jacó dar à sua posteridade. Viste-a com os teus olhos, mas não entrarás nela.
5. E Moisés, o servo do Senhor, morreu ali na terra de Moab, como o Senhor decidira."













Altar retratando que pelo sacrifício de Jesus somos salvos e podemos entrar no céu. 
O Anjo representa a libertação das almas do Purgatório, que tinham alguma pena a purgar.












O PRIMEIRO MILAGRE DE NOSSA SENHORA EM LOURDES, O MILAGRE DE JUSTIN BOUHURT

TESTEMUNHO CATÓLICO DE Eliana Ribeiro - CANÇÃO NOVA - 24/06/12

DEPOIMENTO DE TONNY RAMOS - JMJ RIO 2013 - SÁBADO 27/07/13

TESTEMUNHO Padre Flávio Matias - JMJ

TESTEMUNHO DE JOVEM CATÓLICO, CARLOS LINS - JMJ RIO 2013

TESTEMUNHO DE JOVEM CATÓLICA, Ana Vitória Ferreira - JMJ

TESTEMUNHO E PREGAÇÃO DE Leandro Souza, VIGÍLIA DA JMJ

TESTEMUNHO DE JOVEM CATÓLICO, MARCELO CINTRA, SOBRE JMJ COM PAPA JOÃO PAULO II

TESTEMUNHO DE JOVEM CATÓLICO, EX- DEPENDENTE QUÍMICO, DIANTE DO PAPA FRANCISCO

TESTEMUNHO DE JOVEM CATÓLICO PARAPLÉGICO, FELIPE PASSOS.

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

COMO SE LOUVA OU AGRADECE À INTERCESSÃO DE UM SANTO?



"...seja aos governadores como enviados dele para punir os malfeitores 
e para louvar os que fazem o bem. "
(I São Pedro 2, 14)






"Então ela veio e lançou-se aos  pés de Eliseu,
 prostrando-se por terra. Em seguida, tomou o filho e saiu"
(II Reis 4,37)




No livro dos Reis (5,1-19) lemos sobre um homem chamado Naamã que era leproso e fica curado pela intercessão do Profeta Eliseu.  

Ao tentar agradecer por sua cura ao Profeta Eliseu oferecendo-lhe um presente, a única forma de agradecimento aceita por Eliseu foi o compromisso de que ele só ofereceria holocaustos e sacrifícios ao Senhor Deus de Israel ( II Re 5,17).

Do mesmo modo, os Santos não querem nada de nós além de nosso agradecimento a Deus em sua Santa Missa. 

A Missa é o sacrifício de Jesus (I Cor 10,16) feito uma só vez (Heb 7,27) , mas renovado e eternizado em nossos altares ( Luc 22,19; Heb 7, 24-25); que oferecemos ao Pai Eterno. 

As velas, que também são bíblicas 
(Lev 24,1-4; Apo 1,12-13),  simbolizam nossas orações que se elevam e estão sempre presentes diante de Deus e é uma forma de demonstrarmos nossas orações de agradecimento também , assim como todas as práticas de caridade, boas obras e esmolas.

A Missa unidas às práticas de caridade e penitência estão em primeiro lugar no modo de agradecermos a Deus e à intercessão de seus Santos pelas graças recebidas.



                                      "Exultem em Javé, ó justos! 
                                      Aos retos convém o louvor."
                                                   (Salmos 33, 1)












O LOUVOR AOS SANTOS É BÍBLICO, POIS AOS RETOS CONVÉM O LOUVOR SL 33,1





  • Quando falamos em "louvar aos Santos" (Sl 33,1) isso significa "elogiar aos Santos", pois os Santos são cultuados em veneração (I Sam 25,23; I Re 18,7; Num 22,31) e não em adoração, culto prestado só a Deus (Jo 4,24; 9,38).



    Todo louvor mesmo feito a um Santo ( I Cor 11,2.17) se dirige a Deus quem o fez, pois vendo e recordando  suas boas obras glorificamos ao Pai do céu, como diz Jesus:






    Assim também: que a luz de vocês brilhe diante dos homens, para que eles vejam as boas obras que vocês fazem, e louvem o Pai de vocês que está no céu." (São Mateus 5, 16)




    Na verdade, não louvamos ao Santo em si, mas sim a Deus, fonte de toda santidade (I Cor 8,6), pois "O louvor, a honra, a glória e o poder pertencem àquele que está sentado no trono - e ao Cordeiro - pelos séculos dos séculos" (Apocalipse 5, 13) e devemos oferecer "continuamente, por meio de Jesus, um sacrifício de louvor a Deus, isto é, o fruto de lábios que confessam o seu nome" (Hebreus 13, 15).


    Ao recordarmos seus Santos glorificamos a Deus, oferecendo por meio de Jesus, por quem somos santos, um sacrifício de louvor  (Heb 13,15) como nos diz o Catecismo (n. 1195):


    "Celebrando a memória dos santos, primeiramente da Santa Mãe de Deus, em seguida dos apóstolos, dos mártires e dos outros santos, em dias fixos do ano litúrgico, a Igreja manifesta que está unida à Liturgia Celeste; glorifica a Cristo por ter realizado sua salvação em seus membros glorificados. O exemplo delas e deles a estimula em seu caminho para o Pai."


    No culto oficial da Igreja que é a Missa, não existe louvores a nenhum Santo, pede-se apenas a intercessão deles e nosso hino de louvor é direcionado apenas à Santíssima Trindade de um só Deus e afirma:


    Hino de Louvor do Ritual Romano: 

    Glória a Deus nas Alturas , e paz na Terra aos homens por ele amados. Senhor Deus , rei dos céus , Deus Pai Todo-Poderoso. Nós vos louvamos , nós vos bendizemos , nós vos adoramos , nós vos glorificamos , nós vos damos graças por vossa imensa glória. Senhor Jesus Cristo , Filho unigênito. Senhor Deus , Cordeiro de Deus , Filho de Deus Pai . Vós que tirais o pecado do mundo , tende piedade de nós . Vós que tirais o pecado do mundo , acolhei a nossa súplica. Vós que estais à direita do Pai , tende piedade de nós . Só vós sois o Santo . Só vós o Senhor . Só Vós o Altíssimo , Jesus Cristo . Com o Espírito Santo , na glória de Deus Pai .
    Amém




    O que vemos e rezamos todos os dias no ritual da Missa é que todo o louvor é feito ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo.

    O louvor feito ao Santo, é um elogio, bendizer seus feitos, fazer sua memória (Heb 13,7; I Ped 2,14; Eclo 39,9-11), porém ao fazermos isso bendizemos a Deus, fonte de toda graça e todo o bem, origem da santidade e de todas as boas obras daquela pessoa sagrada.

    O louvor aos Santos é uma expressão popular de reconhecer suas boas obras, como nos dizia São Paulo ao louvar os cristãos (os santos (pelo batismo)) de Corinto:


    "E louvo-vos, irmãos, porque em tudo vos lembrais de mim, e retendes os preceitos como vo-los entregei."


    1 Coríntios 11,2


    "Nisto, porém, que vou dizer-vos não vos louvo; porquanto vos ajuntais, não para melhor, senão para pior."


    1 Coríntios 11,17






    A Igreja Católica afirma que "o louvor  é a forma de oração que reconhece o mais imediatamente possível que Deus é Deus! 



    Canta-o pelo que Ele mesmo é, dá-lhe glória, mais do que pelo que Ele faz, por aquilo que Ele É. 




    (...) O louvor integra as outras formas de oração e as levar Àquele que é sua fonte e termo final: "O único Deus, o Pai, de quem tudo procede e para quem nós somos feitos" (1 Cor 8,6)." (Catecismo da Igreja Católica)





    Assim, todo louvor nosso é direcionado a Deus, mesmo quando elogiamos (louvamos) seus Santos, pois "Grande é Javé! Ele merece todo o louvor. É incalculável a sua grandeza. (Salmos 145, 3)"













     SE O LOUVOR É PRESTADO SÓ A DEUS, COMO DIZEMOS QUE PODEMOS LOUVAR OS SANTOS?




    Louvar também significa elogiar (I Cor 11, 2.17; Fil 4,8; I Ped 2,14; Cânt 6,9), e ao elogiar, bendizer alguém reconhecendo as boas obras dos Santos (Apo 14,13) glorificamos ao Pai sem o qual ninguém pode ser Santo.

    Louvar na Bíblia, como vimos acima, não se restringe apenas a um ato de adoração direto a Deus, também pode significar um elogio que fazemos a algo ou alguém, como nos diz São Paulo sobre as boas obras dignas de louvor:




    "Finalmente, irmãos, ocupem-se com tudo o que é verdadeiro, nobre, justo, puro, amável, honroso, virtuoso, ou que de algum modo mereça louvor." (Filipenses 4, 8)





    O louvor aos Santos se restringe ao seu culto de veneração, que significa fazer memória, respeitar, honrar, elogiar, ter como referência e modelo de santidade ( Heb 13,7;  Fil 3,17;  I Sam 25,23; I Re 18,7; Num 22,31).

    A escritura sagrada nos diz que os Santos são dignos de louvor pelo bem que fazem (I Ped 2,14), pois suas obras os acompanham (Apo 14, 13):







    "Exultem em Javé, ó justos! Aos retos convém o louvor." (Salmos 33, 1)


    "Os povos proclamarão a sabedoria deles, e a assembléia celebrará o seu louvor." (Eclesiástico 44, 15)



    "...seja aos governadores como enviados dele para punir os malfeitores e para louvar os que fazem o bem. "
    (I São Pedro 2, 14)

    "uma só é a minha pomba sem defeito, uma só a preferida pela mãe que a gerou. Vendo, as jovens a felicitam, e rainhas e concubinas a louvam:" (Cântico dos Cânticos 6, 9)




    "Cantem o sucesso do trabalho dela, e que suas obras a louvem na praça da cidade." (Provérbios 31, 31)


    "Muitos elogiarão a sua inteligência, e ele nunca será esquecido. Não desaparecerá a sua recordação, e a sua fama viverá de geração em geração.
    Os povos falarão da sua sabedoria e a assembléia proclamará os seus louvores.


    Se viver por muito tempo, deixará um nome mais famoso que mil outros, e quando morrer, isso lhe bastará." 
    (Eclesiástico 39, 9-11)

Muitos ateus, hereges, infiéis, ou ignorantes, se perguntam porque recordamos "pessoas mortas" (segundo eles). 

E a resposta é simples: enquanto estamos vivos podemos pecar e ainda não podemos nos considerar justificados, salvos, santos puros ( I Cor 4,4) muita coisa pode ficar escondida, muitos pecados podemos cometer, mas quando morremos é que tudo fica às claras como diz a Bíblia, e aí sim podemos saber se tal pessoa realmente viveu em santidade:





"Os pecados dos homens às vezes são conhecidos já antes de levados a juízo; outras vezes o serão depois.
 Da mesma forma, as boas obras: ou já são manifestas ou não poderão permanecer ocultas."

(I Tim 5, 24-25)




"Por isso, não julguem nada antes do tempo; esperem que 
chegue o Senhor. Ele porá às claras tudo o que se esconde nas 
trevas, e manifestará as intenções dos corações. Então, cada um vai receber de Deus o louvor que lhe corresponde. "
(I Coríntios 4, 5)


É pelo poder recebido de Cristo de ligar e desligar (Mat 16,18-19; 18,17-18) que a Igreja, após investigar toda a vida do candidato a santo, proclama ou canoniza tal servo de Deus como exemplo de santidade.

COMO SE LOUVA OU AGRADECE À INTERCESSÃO DE UM SANTO?

No livro dos Reis (5,1-19) lemos sobre um homem chamado Naamã que era leproso e fica curado pela intercessão do Profeta Eliseu.  Ao tentar agradecer por sua cura ao Profeta Eliseu oferecendo-lhe um presente, a única forma de agradecimento aceita por Eliseu foi o compromisso de que ele só ofereceria holocaustos e sacrifícios ao Senhor Deus de Israel ( II Re 5,17).

Do mesmo modo, os Santos não querem nada de nós além de nosso agradecimento a Deus em sua Santa Missa. A Missa é o sacrifício de Jesus (I Cor 10,16) feito uma só vez (Heb 7,27) , mas renovado e eternizado em nossos altares ( Luc 22,19; Heb 7, 24-25); que oferecemos ao Pai Eterno. 

As velas simbolizam nossas orações que se elevam e estão sempre presentes diante de Deus e é uma forma de demonstrarmos nossas orações de agradecimento também (Lev 24,1-4; Apo 1,12-13), assim como todas as práticas de caridade, boas obras e esmolas.

A Missa unidas às práticas de caridade e penitência estão em primeiro lugar no modo de agradecermos a Deus e à intercessão de seus Santos pelas graças recebidas.




OS SANTOS NÃO PRECISAM DE NOSSOS LOUVORES:


Dos Sermões de São Bernardo Abade:


Para que louvar os santos, para que glorificá-los? Para que, enfim, esta solenidade? 
Que lhes importam as honras terrenas, a eles que, segundo a promessa do Filho, o mesmo Pai celeste glorifica? 
De que lhes servem nossos elogios? 
Os santos não precisam de nossas homenagens, nem lhes vale nossa devoção. 
Se veneramos os santos, sem dúvida nenhuma, o interesse é totalmente nosso, e não deles. 
Eu por mim, confesso, ao recordar-me deles, sinto acender-se um desejo veemente.
Em primeiro lugar, o desejo que sua lembrança mais estimula e incita é o de gozarmos de sua tão amável companhia e de merecermos ser concidadãos e comensais dos espíritos bem-aventurados, de unir-nos ao grupo dos patriarcas, às fileiras dos profetas, ao senado dos apóstolos, ao numeroso exército de mártires, ao grêmio dos confessores, ao coro das virgens, de associar-nos, enfim, à comunhão de todos os santos e com todos nos alegrarmos. 

A assembléia dos primogênitos aguarda-nos e nós parecemos indiferentes! Os santos desejam-nos e não fazemos o devido caso, os justos esperam-nos e esquivamo-nos.

Animemo-nos, enfim. Ressuscitemos com Cristo. Busquemos as realidades celestes. Tenhamos gosto pelas coisas do alto. Desejemos aqueles que nos desejam. 

Seja-nos um incentivo não só a companhia dos santos, mas também a sua felicidade. 
Cobicemos com fervoroso empenho também a glória daqueles cuja presença desejamos. Não é má esta ambição nem de nenhum modo é perigosa a paixão pela glória deles.

O segundo desejo que brota em nós pela comemoração dos santos consiste em que Cristo, nossa vida, tal como a eles, também apareça a nós e nós juntamente com ele apareçamos na glória.

 Enquanto isto não sucede, nossa cabeça não como é, mas como se fez por nós, se nos apresenta. Isto é, não coroada de glória, mas com os espinhos de nossos inúmeros pecados. É uma vergonha fazer-se de membro regalado, sob uma cabeça coroada de espinhos.

Por enquanto a púrpura não lhe é sinal de honra, mas de zombaria. Será sinal de honra quando Cristo vier e não mais se proclamará sua morte, e saberemos que nós estamos mortos com ele, e com ele escondida nossa vida. 

Aparecerá a cabeça gloriosa e com ela refulgirão os membros glorificados, quando transformar nosso corpo humilhado, configurando-o à glória da cabeça, que é ele mesmo.
Com inteira e segura ambição cobicemos esta glória. Contudo para que nos seja lícito esperá-la e aspirar a tão grande felicidade, cumpre-nos desejar com muito empenho a intercessão dos santos. 

Assim, aquilo que não podemos obter por nós mesmos, seja-nos dado por sua intercessão.
Vós, Santos do Senhor, bendizei-o para sempre!









 .




sábado, 12 de outubro de 2013

ORAÇÕES DE INSPIRAÇÃO BÍBLICA A NOSSA SENHORA





Senhor, lembrai-vos de Maria, vossa serva, e por amor dessa vossa Mãe Santíssima, atendei nossos pedidos e não rejeiteis a face de quem vos é consagrado (Sl 131,10). 

Tal qual Eliseu eu digo: onde está o Deus de Maria? e com a oração firo as águas da vida para que se dividam  de uma à outra banda e eu passe (II Re 12,14).

Que eu passe sobre a doença, as lutas, as invejas, meus inimigos, meus temores, minhas fraquezas, os demônios e toda força maléfica. Eu passo dizendo: Onde está o Deus de Maria?

Ao Deus de Maria, ao Filho de Maria, o Cordeiro Imolado, todo o poder, a riqueza, a sabedoria, a força, a glória, a honra e o louvor (Apo 4,12).

Àquele que se assenta no trono e ao cordeiro, louvor honra, glória e poder pelos séculos dos séculos (Apo 5,13).

Todos os Santos do céu e da terra conosco digam Amém.

Ave, cheia de Graça, o senhor é contigo, coloca-te diante do Senhor por nós para que Ele esteja sempre conosco e não nos lançe fora de diante de sua face (Jer 15,1).

Intercedei por nós, orai por nós, suplicai por nós para que vivamos no tempo da graça , para que clamando por Deus, Ele nos escute (Jer 11,14) .

Como Abel que mesmo depois de morto ainda fala (Heb 11,4) , falai por nós ao vosso Filho para que nos aceite e não nos trate conforme nossos pecados (Jó 42,8).

Falai por nós como a Rainha Ester, e que o Senhor estenda seu cetro de ouro. 
Que conquistemos as boas graças do Senhor 
por vossa intervenção (Est 5,1ss).

Quem é esta que surge como a aurora, bela com a lua,
 brilhante como o sol, temível como exército em ordem de batalha? (Cânt 6,10)
És toda bela e em ti não há mancha (Cânt 4,7)

Ave, cheia de graça, mostra-me teu rosto, faze-me ouvir tua voz, tua voz é tão doce e delicado teu rosto!

E Maria disse aos serventes: Fazei o que Ele vos disser.

O império de nosso Senhor e de seu Cristo estabeleceu-se sobre o mundo e ele reinará pelos séculos dos séculos (Apo 11,15).

Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo (Luc 1,28).

Apareceu um Grande sinal no céu e este sinal és tu, Maria, a Mulher revestida de sol, com a lua debaixo dos pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas. 

Tu és a Mãe dos que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus.
 (Apo 12,1.17)

Como és formosa! Como és bela!
 És o narciso de Saron, o lírio dos vales. 
Como o lírio entre espinhos assim és entre todas as mulheres.
(Cânt 2,1-2)
Bendita és tu entre as mulheres. 
e bendito é o fruto de teu ventre. (Luc 1,42) 

Levanta-te ó Mãe amada e formosa (Cânt 2,13) 
e diante do trono de Deus,  no seu Templo (Apo 7,15),
 orai por nós, vigiai por nós. 

Nem de dia nem de noite cesse tua intercessão por nós, mantendo desperta a memória do Senhor, 
não descanses até que o Senhor 
nos coloque diante de sua presença 
e nos faça participantes de sua glória 
(Is 62, 6-7).

"Santo, Santo Santo é o Senhor Deus, o Dominador, 
o que é, o que era e o que deve voltar"
(Apo 4,8)
À vossa direita se encontra a Rainha 
com veste esplendente de ouro de Ofir. 
(Sl 44)


Como ordenou o Anjo a Agar, 
torno-me para ti, minha Senhora, 
e humilho-me debaixo de tuas mãos 
(Gen 16,9).

Eis aqui o escravo do Senhor 
cumpra-se em mim  a vontade de Deus.
(Luc 1,38)

Os meus olhos estão fitos nas mãos de minha Senhora 
até que o Senhor tenha de nós piedade (Sl 132,2).
Os meus olhos estão fitos nas mãos de minha Senhora 
confiando em sua intercessão.

Eis aqui o escravo do Senhor 
cumpra-se em mim  a vontade de Deus (Luc 1,38).

Os meus olhos estão fitos nas mãos de minha Senhora,  
até que o Senhor mude minha água em vinho (Jo 2,1ss).
Os meus olhos estão fitos nas mãos de minha Senhora,
 até que o Senhor, 
por elas opere milagres extraordinários (At 19,11).


Ave, cheia de graça, e como com uma nuvem cobri-me.
Tu que fizeste levantar uma luz indefectível e habitais nos lugares mais altos. 
Teu trono, ó Maria, está numa coluna de nuvens, 
e estás coroada de doze estrelas 
(Eclo 24,6-7; Apo 12,1),
pois és vencedora fiel até a morte, 
fiel, de pé, junto da cruz (Jo,25),
por isso mereceste a coroa da vida (Apo 2,10)
e tens o poder sobre as nações (Apo 2,26)
revestida dos elementos do Universo (Apo 3,5;12,1).



"Santo, Santo Santo é o Senhor Deus, o Dominador,
 o que é, o que era e o que deve voltar" 
(Apo 4,8)
À vossa direita se encontra a Rainha 
com veste esplendente de ouro de Ofir. 
(Sl 44)

És coluna no Templo de Deus (Apo 3,12)
És o Templo e a Arca de Deus 
( Apo11,19; Luc 1,35)
E estás assentada com Jesus em seu trono,
assim como Ele venceu e se assentou
com o Pai no trono dele.
 (Apo 3,21)





"Santo, Santo Santo é o Senhor Deus, o Dominador, 
o que é, o que era e o que deve voltar" 
(Apo 4,8)
À vossa direita se encontra a Rainha
 com veste esplendente de ouro de Ofir. 
(Sl 44)

Ó Maria, desde o início, antes de todos os séculos,
ele te escolheu, 
és a descendência da Mulher Eva 
que esmaga a cabeça da serpente (Gên 3,14s)
és  a virgem profetizada por Isaías (Is 7,14)
o sinal dado pelo Senhor
Aquela que deu à luz, 
profetizada por Miquéias (Mq 5,2)
A filha de Sião que se alegra
com a vinda do Senhor
que veio residir em seu seio (Zac 2,14).

Alegra-te, Plena de Graça,Solta gritos de alegria, pois o Senhor
residiu em ti. (Zac 2,14).

Senhora Nossa, Mãe do puro Amor,
Mãe do temor de Deus,
da ciência e da santa esperança.
Em ti se acha toda a graça do caminho e da verdade, 
que é Jesus Cristo, Nosso Senhor,
Em ti toda a esperança da vida e da virtude 
(Eclo 24,24-25),
que é teu divino Filho.

Por isso, és exaltada no meio de teu povo,
e admirada na assembléia santa,
a Santa Igreja,
Entre a multidão dos eleitos recebeis louvores
e bênçãos entre os abençoados por Deus.
(Eclo 24,3-4)

Bem-aventurada te proclamamos entre as gerações.
Bendita és tu entre as mulheres
e bendito é o fruto do teu ventre, Jesus.

Minha alma engrandece ao Senhor e
meu espírito exulta em Deus meu salvador, 
porque olhou para sua serva, Maria,
e  realizou maravilhas
aquele que é poderoso e cujo nome é Santo.
(Luc 1,42ss)

e realizará maravilhas em minha vida
por meio dela
mudando em vinho de alegria 
tudo o que é sombra e triste.





quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Onde fala, na Bíblia, que Nossa Senhora Aparecida é a Rainha e Padroeira do Brasil? Apocalipse 12











Nossa Senhora Aparecida é um dos títulos dados à Mãe de Jesus.

E por isso sempre que encontramos uma referência a Ela na Bíblia, aí temos uma passagem sobre Nossa Senhora Aparecida.

O título de Aparecida deve-se ao fato de sua imagem ter sido encontrada no rio Parnaíba.

Ou melhor, de sua imagem ter aparecido nesse rio, já que milagrosamente acharam o corpo da imagem e depois de um certo tempo, sem que procurassem, com a intenção de pegar peixes, jogando as redes, encontraram a cabeça, e isso foge e muito de uma simples coincidência.


O USO DE IMAGENS É BIBLICAMENTE PERMITIDO:

Sobre o uso de imagens no culto católico, é importante lembrar que Deus pediu que se fizessem imagens (Ex 25,18-22). 

 Ele mesmo usou a imagem da Serpente de Bronze para curar o povo de Israel (Num 21,7-9), assim como o Templo de jerusalém era repleto de imagens ( I Re 6,18-35;I Re 7, 18-51;I Re 8,5-11; Ez 41,1-26). 

Sobre a Arca da Aliança levavam-se duas imagens de Anjos (os querubins) que era conduzida em procissões (Num 10,35; Jos 3,3-8) e diante da qual o povo se prostrava em oração (Num 7,89; Jos 7,6). 

Tudo isso mostra que o uso de imagens é totalmente permitido pela Bíblia, pois Deus proibiu imagens de deuses e não de Santos ou Anjos.


REFERÊNCIAS A NOSSA SENHORA NA BÍBLIA:

A Bíblia, faz referência a Maria no Antigo ( Gên 3,14-15; Is 7,14; Miq 5,2; Zac 2,14;)  e no Novo Testamento (Mat capítulos 1 e 2; Lucas capítulos 1 e 2; Mac 3,31-35;  Jo 2,1-12; At 1,12-14; Gal 4,4; Apo 12, 1ss).

Maria é o único ser humano profetizado já no Antigo Testamento desde que o homem pecou.



POR QUE RAINHA?

Nossa Senhora Aparecida é chamada de Rainha, pois é a Mãe do Nosso Senhor e Rei Jesus. E todo Rei nasce de uma Rainha, recebendo seu sangue real (Luc 1,30-32; Jo 18,37). 

Além disso, Salomão ao se tornar Rei coroou sua Mãe Betsabé como Rainha, mostrando o exemplo do reconhecimento de um filho Rei da realeza de sua Mãe ( I Re 2, 19-20) e Jesus, como modelo de perfeição, não deixou de fazer o mesmo no céu (Apo 12,1).

São João, considerado escritor do Apocalipse, e que ficou de guardar e proteger a Mãe de Jesus, ao falar da visão de um Grande Sinal no céu, descreve uma Mulher que reúne em si o simbolismo da Igreja, do Povo de Israel e de Maria, Mãe de Jesus.
Mostrando, assim, que Nossa Senhora é a Rainha de todo o povo do céu e da terra (Apo 12,1-2.5.15-17):





"Apareceu em seguida um grande sinal no céu: uma Mulher revestida do sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas.
2. Estava grávida e gritava de dores, sentindo as angústias de dar à luz.

5. Ela deu à luz um Filho, um menino, aquele que deve reger todas as nações pagãs com cetro de ferro. Mas seu Filho foi arrebatado para junto de Deus e do seu trono

15. A Serpente vomitou contra a Mulher um rio de água, para fazê-la submergir.
16. A terra, porém, acudiu à Mulher, abrindo a boca para engolir o rio que o Dragão vomitara.

17. Este, então, se irritou contra a Mulher e foi fazer guerra ao resto de sua descendência, aos que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus."





A INTERCESSÃO DA MÃE TEM PODER:

A intercessão de Maria é a mais importante para nós pelo poder demonstrado por Ela nas Bodas de Caná (Jo 2,1-12), daí surgiu a frase que tudo o que a Mãe pede o Filho atende.

Essa intercessão de Maria e a de todos os Santos é possível, pois todos os justos que morreram na amizade divina estão diante de Deus ( Luc 9,30; 20,38).
 Eles podem orar por nós (Heb 11,4; Apo 6,9ss), como mediadores secundários que todos nós somos ( I Tim 2,1; I Tes 1,2; Col 4,12; II Cor 1,11).  

Cristo é o Único Mediador da Salvação( I Tim 2,5;Heb 8,6), mas não é nosso único intercessor ( Rom 8,26; I Tim2,1; II Cor 1,11).

 A diferença é que Deus escuta a oração dos justos com mais eficácia (Tg 5,16). 
E justos só aqueles que justificados pelo Cordeiro não cometem mais pecado, e esses são apenas os Santos que estão junto de Deus (Heb 12,23; I Cor 4,4-5).

Todos os Santos oram pelos que estão na terra (Apo 6,9ss; Luc 16,22ss; II Mac 4,34.15,12ss), pois vivos ou mortos formamos um só Corpo ( Rom 14,8; I Cor 10,17.12,12; II Cor 5,9; I Tes  5,10).  

Cristo que é a Cabeça desse  Corpo (Col 1,18)  vive para interceder (Heb 7,25). 
Logo, uma cabeça não intercede sem seu corpo, pois a morte não nos separa (Rom 8,38-39), ao contrário nos une mais a Cristo (II Cor 5,6-8; Fil 1,21-23; I Tes 5,10)

E onde Cristo está todo o céu está (Apo 14,4) e se o Senhor está em nosso meio quando oramos, então todos os seus Santos também estão (Heb 12,1; 22-24).

A escritura diz que na ressurreição seremos como os Anjos (Mat 22,30) e afirma que já ressuscitamos com Cristo pelo batismo (Col 2,12;3,1).
 Assim, no céu, os Santos desempenham o mesmo trabalho que os dos Anjos: louvam, intercedem, auxiliam os homens na terra até que todos alcancem a salvação ( Zac 1,12-13; Apo 5,8. 8,4);


A Bíblia diz que cada povo, comunidade, e igreja tem seu próprio Anjo protetor ( Dan 10,13. 20-22; Apo 1,20; 2,1.8.12.18;3,1) que vive para interceder ( Is 62,6-7).

E como os Santos desempenham o mesmo papel dos Anjos ( Mat 22,30; Col 2,12), sempre foi uma prática antiga na Igreja recorrer à intercessão de um determinado Santo como Padroeiro de uma comunidade, povo ou igreja.
Assim, a Igreja Católica, na figura de seu Papa, pelo poder recebido de Cristo através de São Pedro, que disse a ele que "tudo o que ele ligasse na terra seria ligado no céu" ( Mat 16,19), definiu seguindo o pedido da maioria dos católicos brasileiros que Nossa Senhora da Conceição representada na imagem encontrada de Aparecida fosse invocada como Padroeira do Brasil. 

E como Maria é a Rainha de todos os Santos e de todos que creem no Cristo (Apo12,17), como nos mostram as passagens bíblicas, ela foi coroada também como Rainha do Brasil.
 Nada mais justo, já que essa terra foi consagrada cristã católica desde seu descobrimento, tornando-se uma terra de Cristo e o que é de Cristo também é de sua Mãe.