segunda-feira, 12 de novembro de 2012

O AUXÍLIO DOS ANJOS NO PURGATÓRIO









É tradição piedosa e não dogmática crer que os anjos auxiliam as almas no Purgatório.  O Purgatório é a purificação final dos que já estão salvos e devem entrar no céu.

O Evangelho afirma que o mendigo foi levado pelos anjos ao seio de Abraão, que era uma figura do céu, mostrando, assim, que somos acompanhados por eles ao céu:



"Veio a morrer o mendigo, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; morreu também o rico, e foi sepultado."
(Luc 16,22)

Outro trecho nos fala sobre o juízo universal, mas daí deduzimos que em nosso juízo particular (Heb 9,27) também seremos acompanhados por eles: 


"E logo enviará os seus anjos, e ajuntará os seus eleitos, desde os quatro ventos, desde a extremidade da terra até a extremidade do céu."
(Mc 13,27)
 

Isso nos leva a crer que, sendo o purgatório um lugar de passagem para o Céu, os Anjos nos acompanham também lá, enquanto nos purificamos dos nossos pecados veniais (leves) para adentrar na Glória Celeste.




 








Do mesmo modo, crê-se que, entre os anjos, o Arcanjo Miguel tenha recebido, de um modo especial, a responsabilidade sobre os mortos, o acompanhamento das almas para o céu e o Purgatório. 



Como lemos na Carta de São Judas (1,9), Miguel disputou com o Diabo o corpo de Moisés, o que nos leva a crer que é da responsabilidade desse anjo tudo o que se relaciona com o mundo dos mortos:

 
"Mas quando o arcanjo Miguel, discutindo com o Diabo, disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar contra ele juízo de maldição, mas disse: O Senhor te repreenda "
(Jud 1,9)


Os anjos são nossos companheiros de caminhada na terra  (Ex 23, 20) e Deus os designou para nos socorrerem, nos aconselharem e nos guiarem no bom caminho (Mt 18,10; Ex 23,20-23).

Enquanto precisarmos ser socorridos, nosso Anjo da Guarda ainda precisa estar conosco. 

Ora, no purgatório ainda estaremos em estado de sofrimento por nossos pecados (ICor 3,15. 11,32; Lc 12,48. 58-59; Mt 5, 25-26), e, logo, precisamos ser "socorridos", auxiliados pela intercessão (I  Tim 2,1; ICor 13,5) do próximo, da igreja, dos santos (Rm 14,8; Gl3,27-28), para que o tempo desse sofrimento seja atenuado, pois após a morte recebemos o que fizemos em vida (II Cor 5, 10), assim nosso arrependimento na outra vida não tem validade e não nos purifica nem nos liberta das consequências do pecado(1Sam 3,13-14; 4,18; 2 Sam 12,13-14; Jon 1,12) e da necessidade de reparação deles ( Mt 3,8; Lc 3,3; 13,3; 2 Cor 7, 9-10; 1 Ped 1,22; 2 Ped 1,9;).











Num êxtase, Santa Maria Madalena de Pazzi viu uma religiosa de sua Ordem (carmelita) ser tirada do Purgatório e levada ao Céu por seu Anjo da Guarda.



 









E Santa Francisca Romana viu seu Anjo da Guarda conduzir ao Purgatório, para ser purificada, uma alma a ele confiada. O espírito celeste permaneceu fora daquele local de purgação, para apresentar ao Senhor os sufrágios oferecidos por aquela alma. E, ao serem estes aceitos por Deus, essa alma era aliviada em suas penas .

  O Anjo da Guarda da alma que está em purificação poderá receber as orações dos fiéis à alma que padece e intercederá por ela a Deus Nosso Senhor (Apo 7,2-3. 8,4).

É preciso, no entanto, esclarecer que um anjo não ocupa lugar no espaço, pois é puro espírito. Diz-se que um anjo “está”, quando ele atua sobre algo ou sobre alguém.

 O professor Orlando Fedeli dizia o seguinte exemplo: “assim como minha alma “está” em meus dedos, enquanto ela determina a ação de meus dedos digitando esta resposta, assim também, de modo semelhante, o anjo da guarda “está” ao nosso lado, protegendo-nos do mal, enquanto age em nossa proteção, e inspirando-nos bons pensamentos.

 Na realidade, o anjo está sempre na presença de Deus.

No Céu, o Anjo não acompanhará mais a alma enquanto guardião, pois que no Céu, estando salva, a alma não mais precisará de socorro algum. 

O Anjo, na Eternidade, permanecerá com a alma em estado de glória, reinando com ela. 

“Por isso, assim como aos que vão por caminhos inseguros se lhes põem guardas, assim também a cada um dos homens, enquanto caminha neste mundo, se lhe dá um anjo que o guarde. Mas quando chegar ao término deste caminho, já não terá anjo que lhe guarde, mas sim terá no céu um anjo que com ele reine, ou no inferno, um demônio que lhe torture”.

( São Tomás de Aquino. Suma Teológica, Ia, Q. 113, a. 4)





As passagens bíblicas que se referm ao Purgatório são:


"13 a obra de cada um se manifestará; pois aquele dia a demonstrará ( *o dia do juízo, na nossa morte), porque será reveldada no fogo, e o fogo provará qual seja a obra de cada um.
14 Se permanecer a obra que alguém sobre ele edificou, esse receberá galardão.(*o céu) 
15 Se a obra de alguém se queimar, sofrerá ele prejuízo; mas o tal será salvo todavia como que pelo fogo." (* o Purgatório)
(1 Cor 3, 13-15) 
 
* (Esclarecimentos acrescentados)

"Todo o que tiver falado contra o Filho do homem será perdoado. Se, porém, falar contra o Espírito Santo, não alcançará perdão nem neste mundo, nem no mundo vindouro." ( Mt 12, 32).



Enquanto estamos vivos (pelo caminho) devemos nos remendar e nos arrepender ou pagaremos por nossos pecados leves no outro mundo:

 "Ora , quando fores com o teu adversário ao magistrado, faze o possível para entrar em acordo com ele pelo caminho, a fim de que ele não te arraste ao juiz, e o juiz te entregue ao executor, e o executor te ponha na prisão. Digo-te: não sairás dali, até pagares o último centavo."( Lc, 12, 58-59).
 

" Mas aquele que, ignorando a vontade de seu senhor, fizer coisas repreensíveis será açoitado com poucos golpes. Porque, a quem muito se deu, muito se exigirá. Quanto mais se confiar a alguém mais se há de exigir." ( Lc 12, 48).



Nenhum comentário:

Postar um comentário