domingo, 13 de maio de 2012

NOSSA SENHORA DA ESTRELA - LENDA E CULTO


 









Pelo que pesquisei , há muitas histórias, lendas e imagens sobre o título de Nossa Senhora da Estrela , além é claro das variações, como Nossa Senhora estrela do mar ou Nossa senhora da Boa Estrela.






Sem falar  nos títulos honoríficos, como Estrela matutina, Estrela vespertina e , recentemente, os bispos da America latina deram-lhe o título de  Estrela da Evangelização.


Assim, não consegui achar apenas uma imagem de Nossa Senhora da Estrela, mas existe uma ampla iconografia relacionada a esse título.

Algumas imagens aqui são italianas, de santuários e igrejas dedicadas a Nossa Senhora da Estrela, são tantas que mau pude escrever as referências de uma a uma.

Abaixo, coloco um texto que encontrei sobre uma das lendas a respeito de Nossa Senhora da Estrela. 

















A devoção a NOSSA SENHORA DA ESTRELA é quase milenar e
teve sua origem num pequeno Santuário em Monteburgo, Normandia, na França, lá pelo ano de 1060.

Na origem do culto e da devoção que, desde o século X se tributou
à Santíssima Virgem Maria, em sua invocação de “Nossa Senhora
da Estrela”, continuados sempre com fervente fé, a história e a lenda se confundem, e é difícil separar uma da outra.
 
Conta-se que, na Idade Média, dois monges beneditinos de Monte
Cassino, da Sabóia (Itália), inflamados de zelo apostólico, percorreram o território francês de sul a norte, até chegar a uma aldeia situada na desembocadura do rio Sena, no litoral da Normandia, chamada de “Grand Champ”.

 Exaustos pela fadiga e a contínua vida de sacrifícios, adormeceram, um na praia, e o outro a poucos passos dali, numa barca ali puxada.
 
Durante o sono dos dois, eis que a maré subiu, soltou a pequena âncora do barco, que logo vogou ao largo.
Uma brisa favorável do leste levou o barco à costa sul da Inglaterra. Ali, o fato, considerado prodigioso, maravilhou
o povo. 

A Sé Episcopal de Salisbury estava vacante; assim, os cônegos elegeram bispo o monge vindo do mar. Tinham a convicção de que o Céu o enviara para lá. 

Diz a lenda que o bispo se celebrizou por suas virtudes.
 

O outro monge, de nome Rogério, que dormira na praia, ao despertar se viu sozinho e angustiado, mas cheio de fé e de conformidade com a vontade de Deus. Neste estado, indo para o norte, se embrenhou na floresta, numa colina chamada de “Alifan”.
 

A noite o surpreendeu sobre a “Museresse”, uma das colinas que cercam Monteburgo. 

Cansado e deprimido,e pondo nas mãos de Deus sua aflição, pediu em sua oração que Deus o orientasse em sua vida de
apostolado. E adormeceu. 

Nessa noite, teve uma estranha visão no sonho que teve.
 
Viu uma grande ESTRELA cair com enorme estrondo no vale.  

Em contato com o fogo celeste, os arbustos se inflamaram, e um fulgurante clarão iluminou todo o horizonte. Uma voz do alto se fez ouvir ao adormecido: “Nossa Senhora quer que se construa um santuário ao pé da colina, em sua honra”. - Os olhos de Rogério viram então uma igreja, branca como linho, emergindo da coivara.
 

Ao acordar na manhã seguinte, com a mente totalmente tomada pela visão que tivera, desceu apressadamente a colina e encontrou as sarças, arbustos e espinheiros reduzidos a cinzas. De forma inequívoca, compreendeu que o lugar havia sido escolhido por ordem divina para a ereção de um santuário.
 
Sem perda de tempo, ajudado pela caridade e a fé dos habitantes dos povoados próximos, iniciou pobremente a tarefa da construção de um pequeno oratório, exatamente no lugar onde vira os arbustos consumidos na queda da estrela. 


 




 CAPELA DA ABADIA










Foram parcos os recursos que pôde ajuntar para executar seu projeto, mas essa pequena capela foi o humilde berço da abadia de Nossa Senhora da Estrela de Monteburgo.
 




  

Abadia de Nossa Senhora da Estrela de Monteburgo.






O monge, porém, teria outras surpresas. 

A notícia do prodígio se espalhou e chegou também aos ouvidos do Duque da Normandia, Rei Guilherme, o Conquistador, que vencera a Inglaterra. Visitava ele, então, a costa francesa da Normandia. Encontrava- se em Cherburgo. 

Enviou a Monteburgo seu médico, também da Sabóia, para se inteirar dos fatos. Esse médico descobriu ser ele mesmo o irmão uterino de Rogério. Falou-lhe do bispo de Salisbury e, de volta à Inglaterra, informou a este da sina do seu antigo companheiro.
 



Brevemente, os dois irmãos em Deus, reunidos na pequena capela de Monteburgo, puderam juntos agradecer a Nossa Senhora da ESTRELA a sua maravilhosa intervenção na vida de cada um.

 





 



 CAPELA NO INTERIOR DA ABADIA










Possuído de fé e de devoção à Virgem Maria, o rei interessou-se pela obra e, generosamente lhe deu todo o apoio. Aquilo que iniciara como simples capela, converteu-se em Igreja Abacial e mosteiro. O Rei Guilherme não doou ao monge Rogério os recursos necessários para cumprir com Rainha e Mãe das Escolas Cristãs - 3 - grandiosidade o encargo divino. 

Doou à Abadia nascente o domínio de Monteburgo, com seus moinhos, feiras e mercados, a isenção de impostos e direitos sobre as florestas dos arredores; e o abade tinha direito à Alta Justiça.















 Fez ainda enormes doações à abadia, que ele queria a mais linda e mais bem provida de seu reino. O documento da doação, assinado pelo Rei e pelos principais bispos da Inglaterra, foi confirmado pelos sucessores do Conquistador, que cumularam a abadia com outras doações ainda.
 



Os papas e os reis da França, por sua vez, concederam-lhe também numerosos privilégios.

Quando em 1087 o Rei Guilherme morreu, seu filho Henrique também se converteu em benfeitor da Igreja e do Mosteiro, continuando-se assim a obra que chegou a ser, durante vários séculos, um dos importantes centros de cultura e de difusão cristã da Idade Média, e lugar de nutridas peregrinações. 

O número de monges se elevou a muitas centenas.










 





 






Em recordação da visão do monge Rogério, foi dado a essa Igreja e à imagem da santíssima Virgem, como se verá adiante, ali venerada, o nome de “Nossa Senhora da Estrela”.









Estes são, em resumo, os dados essenciais da lenda de Nossa Senhora da Estrela. Que ela seja considerada com a devida maturidade. 

Aparece nela o sabor maravilhoso de tantos fatos bíblicos, em que o céu comunica sua vontade em sonhos, e pelo fogo.
 
Esta lenda parece ter brotado um pouco como uma linda flor, sobre
o húmus rico do fervor marial, que havia já muitos séculos, cobria a
terra normanda, e de que a Abadia de Monteburgo se tornara o jardim de escol.













Oração à Nossa Senhora da Estrela 
de Jean Guyot
 - Arcebispo de Toulouse, 
França
Oh, Nossa Senhora da Estrela
 para vós se volta nosso olhar
 e nosso coração de filhos.

 Vós sois a Estrela da Manhã 
que anuncia a chegada do dia; 
Vós sois a Estrela da Tarde
 que brilha em nossa noite; 
Vos sois a Estrela do Mar
 que nos guia para o porto feliz

 Como a Estrela
 envia seu raio do céu sobre a terra,
 Envie-nos vosso Filho Jesus,
 Luz eterna do mundo! 







 
Através da escuridão e das tempestades da vida, 
Nas horas de dúvida ou de tentação
 Na revolta ou na fraqueza, 
Sede nossa Claridade e nossa Paz!
 Sede nossa Esperança e nossa Pureza!
 Sede nossa Doçura e nossa Força!




 




 Oh, Nossa Senhora da Estrela, 
Que em vós descanse para sempre nosso olhar
 e nosso coração de filhos.
Amém





As Imagens acima são italianas, 
de santuários diversos.




 Nossa Senhora da Boa Estrela, 
de Serra da Estrela, Portugal.



















FONTES:

 http://www.tercodoshomensspsp.com.br/noticias-da-igreja/Nossa-Senhora-de-Cada-Dia

 http://francismarotti.blogspot.com.br/2009/12/away-for-christmas.html






Nenhum comentário:

Postar um comentário