terça-feira, 3 de abril de 2012

AS DORES DE NOSSA SENHORA - PASSAGENS BÍBLICAS E TRADIÇÃO









Para mim , lembrar as dores de Nossa Senhora significa colocar-se à disposição de amar a Jesus.

Pois, acompanhando em meditação a Virgem maria em suas dores, nos colocamos no lugar dela, pensamos como deve ter sido dolorido ser mãe, ter apenas um filho e vê-lo morrer de maneira tão cruel.



Seguir Maria em suas dores, é aprender a amar a jesus como amigo, homem, filho, Senhor e Deus.

Nossa Senhora das Dores é também conhecida como Nossa Senhora da Piedade ou, ainda, a Mãe Dolorosa. 

A Igreja também celebra no dia 15 de setembro a Festa de Nossa Senhora das Dores. 

 Porém, é costume nas procissões da Sexta-Feira Santa fazer acompanhar a imagem do Senhor Morto, pela imagem de Nossa Senhora das Dores, relembrando aquele encontro cheio de dor e compaixão – por isso também o título de Senhora das Dores se faz lembrar nesta época em que se celebra a Paixão e Morte de Jesus. 

 As dores de Nossa Senhora, que relembramos , de acordo com a Tradição e os Evangelhos são sete.

Claro que Jesus e Maria, passaram por muitos sofrimentos, mas foram escolhidos sete momentos da vida de Maria , que aparecem nos Evangelhos, ou supomos terem acontecido a partir do que nos conta a Bíblia.

O número sete , na verdade simboliza todas as dores de Maria, que foram muito maiores do que esse número. 

(REZE TAMBÉM O OFÍCIO DE NOSSA SENHORA DAS DORES. São sete hinos compostos com base em trechos bíblicos do livro da Lamentação de Jeremias, Salmos, do Evangelho e da Liturgia das Horas:

http://rezairezairezai.blogspot.com.br/search/label/OF%C3%8DCIO%20DE%20NOSSA%20SENHORA%20DAS%20DORES    )



 As sete dores são:

As sete dores de Nossa Senhora

Pecadores redimidos,
Com o sangue do Senhor,
Atendei, Olhai se existe
Dor igual a minha dor.


 
 
 

















1) A Profecia de Simeão - Uma espada de dor transpassará a tua alma. (Lc, 2,35)

Dolorosa, aguda espada
Transpassou-me o coração
Quando a morte do meu Filho
Me predisse Simeão



 DO EVANGELHO DE SÃO LUCAS ( 2, 33-35):

Seu pai e sua mãe estavam admirados das coisas que dele se diziam.
(34) Simeão abençoou-os e disse a Maria, sua mãe: 
 



Eis que este menino está destinado a ser uma causa de queda e de soerguimento para muitos homens em Israel, e a ser um sinal que provocará contradições,E uma espada transpassará a tua alma.
(35) a fim de serem revelados os pensamentos de muitos corações.













 




II) A Fuga para o Egito -
Fugindo do furor de Herodes. Então José tomou a criança e sua mãe e fugiu de noite para o Egito. (Mt, 2,14)

Junto ao Filho para o Egito
Eu fugi, com dor Atroz
Quando Herodes O buscava
Para dá-lo ao vil algoz

 



 DO EVANGELHO DE SÃO MATEUS ( 2,13-15):

Depois de sua partida, um anjo do Senhor apareceu em sonhos a José e disse:
 Levanta-te, toma o menino e sua mãe e foge para o Egito, fica lá até que eu te avise, porque Herodes vai procurar o menino para o matar.


 



(14) José levantou-se durante a noite, tomou o menino e sua mãe e partiu para o Egito.




(15) Ali permaneceu até a morte de Herodes para que se cumprisse o que o Senhor dissera pelo profeta: Eu chamei do Egito meu filho (Os 11,1).







III) A perda do Menino Jesus no Templo - Filho, por que fizeste assim conosco? Eis que teu pai e eu te procurávamos cheios de aflição. (Lc, 2,48)

Quem dirá meu sentimento,
Desolada me encontrei
Vendo o Filho perdido
Por três dias O busquei



 
 DO EVANGELHO DE SÃO LUCAS ( 2, 43-52)

Acabados os dias da festa, quando voltavam, ficou o menino Jesus em Jerusalém, sem que os seus pais o percebessem.
(44) Pensando que ele estivesse com os seus companheiros de comitiva, andaram caminho de um dia e o buscaram entre os parentes e conhecidos.

 


(45) Mas não o encontrando, voltaram a Jerusalém, à procura dele.
(46) Três dias depois o acharam no templo, sentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os.
(47) Todos os que o ouviam estavam maravilhados da sabedoria de suas respostas.
(48) Quando eles o viram, ficaram admirados. 


 





E sua mãe disse-lhe: 
Meu filho, que nos fizeste?! Eis que teu pai e eu andávamos à tua procura, cheios de aflição.



 
(49) Respondeu-lhes ele: Por que me procuráveis? Não sabíeis que devo ocupar-me das coisas de meu Pai?
(50) Eles, porém, não compreenderam o que ele lhes dissera.
(51) Em seguida, desceu com eles a Nazaré e lhes era submisso. Sua mãe guardava todas estas coisas no seu coração.
(52) E Jesus crescia em estatura, em sabedoria e graça, diante de Deus e dos homens.










IV) O encontro com Jesus no caminho do calvário - Os soldados levaram Jesus. Uma grande multidão o seguia. Entre o povo havia mulheres que choravam e se lamentavam por causa dele. (Lc, 23,27)

Que martírio na minh'alma
Encontrando o meu Jesus
No caminho do Calvário
Arquejando sob a Cruz

 Apesar de não haver menção nos Evsangelhos, acredita-se que Maria acompanhou o calvário, pois ela se encontrava aos pés da cruz, como diz o Evangelho de São João.







 DO EVANGELHO DE SÃO LUCAS ( 23,25-31)
Soltou-lhes aquele que eles reclamavam e que havia sido lançado ao cárcere por causa do homicídio e da revolta, e entregou Jesus à vontade deles.
(26) Enquanto o conduziam, detiveram um certo Simão de Cirene, que voltava do campo, e impuseram-lhe a cruz para que a carregasse atrás de Jesus.



 



(27) Seguia-o uma grande multidão de povo e de mulheres, que batiam no peito e o lamentavam.






(28) Voltando-se para elas, Jesus disse: Filhas de Jerusalém, não choreis sobre mim, mas chorai sobre vós mesmas e sobre vossos filhos.
(29) Porque virão dias em que se dirá: Felizes as estéreis, os ventres que não geraram e os peitos que não amamentaram!
(30) Então dirão aos montes: Caí sobre nós! E aos outeiros: Cobri-nos!
(31) Porque, se eles fazem isto ao lenho verde, que acontecerá ao seco?










V) A morte de Jesus na Cruz - Perto da cruz estavam a Mãe de Jesus e a irmã dela, mulher de Cléofas e também Maria Madalena. E Jesus disse a sua mãe: Ai está o vosso filho. E a João ele disse: Ai está tua mãe. (Jo, 19,25-27)

Mas, ó céus, ó terra, vede:
Dor maior não pode haver
Vendo a morte do meu Filho
Foi milagre eu não morrer!

 
 DO EVANGELHO DE SÃO JOÃO (19, 23-28):

Depois de os soldados crucificarem Jesus, tomaram as suas vestes e fizeram delas quatro partes, uma para cada soldado. A túnica, porém, toda tecida de alto a baixo, não tinha costura.
(24) Disseram, pois, uns aos outros: Não a rasguemos, mas deitemos sorte sobre ela, para ver de quem será. Assim se cumpria a Escritura: Repartiram entre si as minhas vestes e deitaram sorte sobre a minha túnica (Sl 21,19). Isso fizeram os soldados.


 



(25) Junto à cruz de Jesus estavam de pé sua mãe, a irmã de sua mãe, Maria, mulher de Cléofas, e Maria Madalena.
(26) Quando Jesus viu sua mãe e perto dela o discípulo que amava, disse à sua mãe: Mulher, eis aí teu filho.
(27) Depois disse ao discípulo: Eis aí tua mãe. E dessa hora em diante o discípulo a levou para a sua casa.

(28) Em seguida, sabendo Jesus que tudo estava consumado, para se cumprir plenamente a Escritura, disse: Tenho sede.

















VI) A lançada no coração de Jesus e a descida da Cruz - José, da cidade de Arimatéia, tirou o corpo de Jesus da cruz e o enrolou num lençol de linho, Maria o recebeu em seus braços. (Lc. 23,53)

Contemplai meu sofrimento,
Minha angústia ao pé da Cruz:
Pela lança transpassado
Vi meu Filho, o meu Jesus


 
 DO EVANGELHO DE SÃO JOÃO ( 19, 33-42):

Chegando, porém, a Jesus, como o vissem já morto, não lhe quebraram as pernas,
(34) mas um dos soldados abriu-lhe o lado com uma lança e, imediatamente, saiu sangue e água.
(35) O que foi testemunha desse fato o atesta (e o seu testemunho é digno de fé, e ele sabe que diz a verdade), a fim de que vós creiais.
(36) Assim se cumpriu a Escritura: Nenhum dos seus ossos será quebrado (Ex 12,46).
(37) E diz em outra parte a Escritura: Olharão para aquele que transpassaram (Zc 12,10).



 


(38) Depois disso, José de Arimatéia, que era discípulo de Jesus, mas ocultamente, por medo dos judeus, rogou a Pilatos a autorização para tirar o corpo de Jesus. Pilatos permitiu. Foi, pois, e tirou o corpo de Jesus.

(39) Acompanhou-o Nicodemos (aquele que anteriormente fora de noite ter com Jesus), levando umas cem libras de uma mistura de mirra e aloés.
(40) Tomaram o corpo de Jesus e envolveram-no em panos com os aromas, como os judeus costumam sepultar.
(41) No lugar em que ele foi crucificado havia um jardim, e no jardim um sepulcro novo, em que ninguém ainda fora depositado.
(42) Foi ali que depositaram Jesus por causa da Preparação dos judeus e da proximidade do túmulo.




 DO EVANGELHO DE SÃO LUCAS ( 23, 50 - 56):
(50) Havia um homem, por nome José, membro do conselho, homem reto e justo.
(51) Ele não havia concordado com a decisão dos outros nem com os atos deles. Originário de Arimatéia, cidade da Judéia, esperava ele o Reino de Deus.
(52) Foi ter com Pilatos e lhe pediu o corpo de Jesus.
(53) Ele o desceu da cruz, envolveu-o num pano de linho e colocou-o num sepulcro, escavado na rocha, onde ainda ninguém havia sido depositado.

















VII) O sepultamento de Jesus e a soledade de Nossa Senhora - As mulheres que haviam seguido Jesus, desde a Galiléia, foram com José e viram o túmulo e como Jesus tinha sido colocado ali.. (Lc. 23,55).

Oh! Que dor mais cruciante,
Que suprema solidão,
Ao levarem-no ao sepulcro,
Invadiu-me o coração.
 

DO EVANGELHO DE  SÃO LUCAS ( 23, 54- 56):


(54) Era o dia da Preparação e já ia principiar o sábado.


 



(55) As mulheres, que tinham vindo com Jesus da Galiléia, acompanharam José. Elas viram o túmulo e o modo como o corpo de Jesus ali fora depositado.







(56) Elas voltaram e prepararam aromas e bálsamos. No dia de sábado, observaram o preceito do repouso.





































Um comentário:

  1. muito bom e inclusive pude fazer uma reflexao do tema aqui postado com a comunidade mae da ternura.

    ResponderExcluir