terça-feira, 29 de março de 2011

SALMO 142(143) - SENHOR, OUVI MINHA ORAÇÃO- SALMO PENITENCIAL









 
Salmos, 142

1.  Senhor, ouvi a minha oração; pela vossa fidelidade, escutai a minha súplica, atendei-me em nome de vossa justiça.

2. Não entreis em juízo com o vosso servo, porque ninguém que viva é justo diante de vós.

3. O inimigo trama contra a minha vida, ele me prostrou por terra; relegou-me para as trevas com os mortos.

4. Desfalece-me o espírito dentro de mim, gela-me no peito o coração.

5. Lembro-me dos dias de outrora, penso em tudo aquilo que fizestes, reflito nas obras de vossas mãos.

6. Estendo para vós os braços; minha alma, como terra árida, tem sede de vós.

7. Apressai-vos em me atender, Senhor, pois estou a ponto de desfalecer. Não me oculteis a vossa face, para que não me torne como os que descem à sepultura.

8. Fazei-me sentir, logo, vossa bondade, porque ponho em vós a minha confiança. Mostrai-me o caminho que devo seguir, porque é para vós que se eleva a minha alma.

9. Livrai-me, Senhor, de meus inimigos, porque é em vós que ponho a minha esperança.

10. Ensinai-me a fazer vossa vontade, pois sois o meu Deus. Que vosso Espírito de bondade me conduza pelo caminho reto.

11. Por amor de vosso nome, Senhor, conservai-me a vida; em nome de vossa clemência, livrai minha alma de suas angústias.

12. Pela vossa bondade, destruí meus inimigos e exterminai todos os que me oprimem, pois sou vosso servo.






GLÓRIA AO PAI , AO FILHO E AO ESPÍRITO SANTO,
COMO ERA NO PRINCÍPIO AGORA E SEMPRE.

AMÉM

ORAÇÕES A JESUS NO HORTO DAS OLIVEIRAS


SENHOR BOM JESUS DO HORTO





Ó JESUS CRISTO, doçura eterna para aqueles que vos amam, alegria que ultrapassa toda a alegria e todo o desejo, esperança de salvação dos pecadores, que declarastes não terdes maior contentamento do que estar entre os homens, até o ponto de assumir a nossa natureza, na plenitude dos tempos, por amor deles.

Lembrai-Vos dos sofrimentos, desde o primeiro instante da Vossa Conceição e sobretudo durante a Vossa Santa Paixão, assim como havia sido decretado e estabelecido desde toda a eternidade na mente divina.




Lembrai-Vos Senhor, que, celebrando a Ceia com os Vossos discípulos, depois de lhes haverdes lavado os pés, deste-lhes o Vosso Sagrado Corpo e precioso Sangue e, consolando-os docemente lhes predissestes a Vossa Paixão iminente.



Lembrai-Vos da tristeza e da amargura que experimentastes em Vossa Alma como o testemunhastes Vós mesmo por estas palavras: "a Minha Alma está triste até a morte".













Lembrai-Vos, Senhor, dos temores, angustias e dores que suportastes em Vosso Corpo delicado, antes do suplício da Cruz, quando, depois de ter rezado por três vezes, derramado um suor de Sangue, fostes traído por Judas Vosso discípulo, preso pela nação que escolhestes, acusado por testemunhas falsas, injustamente julgado por três juizes, na flor da Vossa juventude e no tempo solene da Páscoa.



 Lembrai-Vos que fostes despojado de Vossas vestes e revestido com as vestes da irrisão, que Vos velaram os olhos e a face, que Vos deram bofetadas, que Vos coroaram de espinhos, que Vos puseram uma cana na mão e que, atado a uma coluna, fostes despedaçado por golpes e acabrunhado de afrontas e ultrajes.




Em memória destas penas e dores que suportastes antes da Vossa Paixão sobre a Cruz, concedei-me, antes da morte, uma verdadeira contrição, a oportunidade de me confessar com pureza de intenção e sinceridade absoluta, uma adequada satisfação e a remissão de todos os meus pecados. Assim seja








Oração ao senhor do horto

Senhor do Horto, que foste preso e foste morto, perdoai os nossos pecados, esquecidos e lembrados, aos pés do meu confessor, nunca foram confessados.

Vós Senhor, Vós sabeis quantos eles são, na hora da minha morte, tende de nós compaixão.


Reza-se: 1 P. N. e A. M.

















domingo, 27 de março de 2011

ORAÇÕES A JESUS CRISTO ATADO À COLUNA











 

Oração a Jesus  Libertador


Eu venho a Ti, Senhor Jesus, como a meu Libertador. Tu conheces todos os meus problemas, todas as coisas que me amarram, que me atormentam, corrompem e incomodam.

Eu me recuso, neste momento, a aceitar qualquer coisa de satanás e me desligo de espíritos das trevas, de toda influência negativa e maligna, de todo cativeiro satânico, de todo espírito em mim que não seja espírito de Deus, e ordeno a todos os espíritos relacionados com satanás que nos deixem agora e não voltem nunca mais, prostrando-se aos pés da santa cruz de Jesus Cristo, para sempre.

Confesso que meu corpo é templo do Espírito Santo: redimido, lavado, santificado, justificado pelo Sangue de Jesus. Portanto, satanás não tem lugar em mim e nenhum poder sobre mim, por causa do Sangue de Jesus.

Amém. Amém. Aleluia.

 
 












 
 
 
Pai Nosso... Ave Maria...

Ó JESUS CRISTO, verdadeira liberdade dos Anjos, paraíso de delícias, lembrai-Vos do peso acabrunhador de tristezas que suportastes, quando Vossos inimigos, quais leões furiosos, Vos cercaram e, por meio de mil injúrias, escarros, bofetadas, arranhões e outros inauditos suplícios Vos atormentaram a porfia.

 Em consideração destes insultos e destes tormentos, eu Vos suplico, ó meu Salvador, que Vos digneis libertar-me dos meus inimigos, visíveis e invisíveis e fazer-me chegar, com o Vosso auxílio a perfeição da salvação eterna. Assim seja!






Ó JESUS, POR MIM AMARRADO E FLAGELADO PELOS SOLDADOS ROMANOS,

DESAMARRAI MINHA ALMA , PRESA ÀS COISAS E BENS DA TERRA, AGARRADA AOS VÍCIOS E ERROS, APEGADA A TANTAS PRÁTICAS OFENSIVAS.

Ó JESUS, POR MIM ATADO À COLUNA, COBERTO DE INSULTOS E PANCADAS, PERDOAI-ME, POIS SÃO MUITOS OS MEUS ERROS,
PERDOAI-ME PELO QUE EU NÃO LEMBRO E POR TANTAS CULPAS PASSADAS PRESENTES OU MESMO AS FUTURAS QUE POSSA COMETER.

Ó JESUS, POR MIM AÇOITADO E CASTIGADO, TEM PIEDADE DE MIM!

TU, NÃO COMETESTES UM PECADO EM VIDA PARA MERECER TANTA DE3SONRA, MAS ACEITASTES TUDO PARA ME SALVAR E SALVAR O MUNDO EU TE LOUVO E PEÇO O TEU PERDÃO POR TUDO O QUE FALEI, PENSEI E COMETI DE ERRADO E PELO BEM QUE DEIXEI DE FAZER QUANDO DEVIA.











MEU JESUS, AJOELHO-ME PEDINDO TUA CLEMÊNCIA E TUA LUZ PARA ENXERGAR O QUE DEVO MUDAR E MELHORAR EM MEU VIVER.

TEM PIEDADE DE MIM E NÃO ME ABANDONES POR CONTA DE MEUS ERROS.

SOU UMA OVELHA PERDIDA QUE NÃO SABE QUE CAMINHO TOMAR E POR ONDE SEGUIR.

PÕE-ME EM TEUS BRAÇOS, PASTOR AMADO, MEU SALVADOR, E LEVA-ME POR ONDE NÃO SEI, COLOCA EM MINHA VIDA ANJOS QUE ME GUIEM, VELE POR MEUS PASSOS E DECISÕES, AVISE-ME QUANDO EU ESTIVER ERRADO E NÃO CONSEGUIR PERCEBER MEUS ERROS.





NÃO PERMITAS, MEU JESUS, QUE EU TE MAGOE AINDA MAIS E TE OFENDA MAIS DO QUE JÁ FOSTES TÃO OFENDIDO.

POR TUAS SANTAS CHAGAS, CHAGAS AGORA GLORIOSAS E OUTRORA DE TANTA DOR, SALVA MINHA ALMA E CONDUZ-ME PELO CAMINHO CERTO DE TUA SABEDORIA, FAZ-ME ACEITAR TUAS DECISÕES ANTES DE QUERER AS MINHAS, FAZE-ME OUVIR TUA VOZ, MEU SENHOR ATADO E FLAGELADO À COLUNA.

ATADO PARA ME DESATAR DO MUNDO.
AMARRADO PARA ME DESAMARRAR DAS CORDAS DAS SOMBRAS.
FLAGELADO PARA NÃO ME VER SOFRER.
CASTIGADO PARA NÃO ME CASTIGAR.
ACABRUNHADO DE TODA DOR, ANGÚSTIA E INFELICIDADE, PARA ME LIVRAR DE TODA TRISTEZA E ME COMPREENDER EM TANTAS DEPRESSÕES.

TE AMO, JESUS, E TE ADORO,
 TE LOUVO E TE BENDIGO,
HOJE E SEMPRE.

 AMÉM








JESUS, POR MIM AMARRADO, DESAMARRAI-ME!

JESUS, POR MIM ATADO, DESATAI-ME!

JESUS, POR MIM PRESO E FLAGELADO, LIBERTAIME!

JESUS, OUVI-ME!

JESUS, ATENDEI-ME!

JESUS, EU TE AMO E TE ADORO,
TE LOUVO E TE BENDIGO,
HOJE E SEMPRE.
AMÉM











A VIA SACRA - ORAÇÃO DA PAZ, DA PENITÊNCIA, DA CONVERSÃO












TODAS AS SEXTAS FEIRAS DA QUARESMA REZA-SE A VIA SACRA.

ESSE EXERCÍCIO DE MEDITAÇÃO E ORAÇÃO SOBRE OS ÚLTIMOS PASSOS DA VIDA DE JESUS É ALGO QUE MUITO ME DÁ PRAZER.

AO TERMINAR ESSA PRÁTICA DE ORAÇÃO SINTO UMA PAZ IMENSA, COMO SE TIVESSE DEMONSTRADO UM GRANDE AMOR A DEUS.

É UMA ÓTIMA ORAÇÃO PARA REAVALIAR A VIDA, NOSSOS ERROS, COMO PENITÊNCIA, E COMO MÉTODO PARA ADQUIRIR A PAZ E ATRAÍ-LA SOBRE NOSSA VIDA.

PROCURAREI MEDITAR NAS PASSAGENS DE CADA ESTAÇÃO NESSE BLOG.










A devoção da Via Sacra consiste na oração mental de acompanhar o Senhor Jesus em seus sofrimentos conhecidos como a paixão de Nosso Senhor, a partir do Tribunal de Pilatos até o Monte Calvário.



Esta maneira de meditar teve origem no tempo das Cruzadas (século X).

Os fiéis que peregrinavam na Terra Santa e visitavam os lugares sagrados da Paixão de Jesus, continuaram recordando os passos da Via Dolorosa de Jerusalém.

Em suas pátrias, compartilharam esta devoção à Paixão.

O número de 14 estações fixou-se no século XVI.


O Papa João Paulo II introduziu, em Roma, a mudança de certas cenas desse percurso não relatadas nos Evangelhos por outros quadros narrados pelos evangelistas.

 A nova configuração ainda não se tornou geral.

O exercício da Via Sacra tem sido muito recomendado pelos Sumos Pontífices, pois ocasiona frutuosa meditação da Paixão do Senhor Jesus.












Por “Via Sacra” entende-se um exercício de piedade segundo o qual os fiéis percorrem mentalmente com Cristo o caminho que levou o Senhor do Pretório de Pilatos até o monte Calvário; compreende quatorze estações ou etapas, cada uma das quais apresenta uma cena da Paixão a ser meditada pelo discípulo de Cristo:



1.Estação: Jesus é condenado à morte

2.Estação: Jesus carrega a cruz às costas

3.Estação: Jesus cai pela primeira vez

4.Estação: Jesus encontra a sua Mãe

5.Estação: Simão Cirineu ajuda a Jesus

6.Estação:  Verônica enxuga o rosto de Jesus

7.Estação: Jesus cai pela segunda vez

8.Estação: Jesus encontra as mulheres de Jerusalém

9.Estação: Terceira queda de Jesus

10.Estação: Jesus é despojado de suas vestes

11.Estação: Jesus é pregado na cruz

12.Estação: Jesus morre na cruz



















13.Estação: Jesus morto nos braços de sua Mãe

14.Estação: Jesus é enterrado

Existem diversas meditações de autores espirituais sobre a via crucis ou via sacra, dentre elas as que foram utilizadas em Roma, durante os últimos anos foram: Via Cucis com a Mãe, 2006; Via Crucis do card. Ratzinger, 2005; Via Crucis de João Paulo II, 2004; Via Crucis de João Paulo II, 2000; Via Crucis de Karol Wojtyla, 1976 e ainda são conhecidas as Via Crucis de São Josemaría Escrivá e a Via Cucis de Ernestina Champourcin, 1952.



Quando associado à Via Crucis, Jesus é especialmente venerado sob o nome de Nosso Senhor dos Passos.































AVAREZA - UM PECADO MORTAL -TEXTOS BIBLICOS











A AVAREZA É UM PECADO QUE ESTÁ NA RAIZ DE MUITOS OUTROS.


Muitos roubam, matam, se prostituem, mentem, enganam, praticam adultério, e uma infinidade de tantos outros erros apenas pelo dinheiro. Por ser a raiz de muitos males, é considerada um pecado mortal, que leva à morte eterna no inferno,pois "há pecado que não leva à morte" (1 João 5,17), mas há "pecado que é para morte;"(1 João 5,16).

Acho mesmo que a avareza é um dos maiores pecados do nosso mundo neoliberalista, pós-moderno, como diz a Biblia:



"Porque a raiz de todos os males é o amor ao dinheiro. Acossados pela cobiça, alguns se desviaram da fé e se enredaram em muitas aflições." (I Timóteo 6, 10)



Abaixo temos algumas passagens bíblicas, entre tantas, que falam sobre esse pecado mortal :


"Procura dentre o povo homens capazes, tementes a Deus, homens de verdade, que aborreçam a avareza; põe-nos sobre eles por chefes de mil, chefes de cem, chefes de cinqüenta e chefes de dez;" (Êxodo 18,21)




"Ai daqueles que, no seu leito, imaginam a iniqüidade e maquinam o mal! À luz da alva, o praticam, porque o poder está em suas mãos.  Se cobiçam campos, os arrebatam; se casas, as tomam; assim, fazem violência a um homem e à sua casa, a uma pessoa e à sua herança. (Miquéias 2,1-2 ) "





A VINHA DE NABOTE


Uma das passagens bíblicas mas interessantes sobre a cobiça, um pecado que é consequência ou faz parte da avareza é sobre a história da "Vinha de Nabote":







"Que desgosto tão grande é esse?, perguntou-lhe a mulher, Jezabel. Por que é que nem sequer queres comer?


 Pedi a Nabote que me vendesse a vinha, ou que ma trocasse, e recusou!, disse-lhe Acabe.


Mas afinal, és tu ou não o rei de Israel? Trata mas é de te levantares, e de andares normalmente, porque eu me ocuparei desse assunto - eu hei-de obter essa vinha de Nabote!


 Jezabel pôs-se então a escrever uma série de cartas, em nome de Acabe, com o selo real, e endereçou-as aos líderes da cidade de Jezreel, onde vivia Nabote.



Nelas dava a seguinte ordem: Façam uma proclamação por toda a cidade, para que a população jejue e ore. Convoquem Nabote, e arranjem dois marginais que o acusem de ter amaldiçoado Deus e o rei. Levem-no depois e executem-no.


Os chefes municipais obedeceram àquelas instruções. Convocaram uma reunião, acarearam Nabote com dois meliantes, os quais, sendo gente sem consciência, o acusaram de ter amaldiçoado Deus e o rei.



Nabote foi arrastado para fora da cidade e apedrejado até morrer. Depois, os líderes da cidade participaram a Jezabel que Nabote já estava morto. 








 Quando a rainha tomou conhecimento disso, falou a Acabe:

 Lembras-te da vinha que Nabote não te queria ceder? Pois bem, já poderás tê-la. O homem morreu!

Então Acabe desceu para ir tomar posse da terra." (1 Reis 21:1-16 O Livro)

"Nesse ponto, um homem que estava no meio da multidão lhe falou: Mestre, ordena a meu irmão que reparta comigo a herança. (14) Mas Jesus lhe respondeu: Homem, quem me constituiu juiz ou partidor entre vós? 



CONSELHOS DE JESUS:

 Então, lhes recomendou: Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui."
(Lucas 12:13 -14 ARA)





E mais adiante Jesus nos dá alguns conselhos para tentar se prevenir desse vício mortal:





 "A seguir, dirigiu-se Jesus a seus discípulos, dizendo:

Por isso, eu vos advirto: não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer, nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir.    Porque a vida é mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes. 
Observai os corvos, os quais não semeiam, nem ceifam, não têm despensa nem celeiros; todavia, Deus os sustenta.
Quanto mais valeis do que as aves!  Qual de vós, por ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado ao curso da sua vida? 
Se, portanto, nada podeis fazer quanto às coisas mínimas, por que andais ansiosos pelas outras? 
Observai os lírios; eles não fiam, nem tecem. Eu, contudo, vos afirmo que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles. 
 Ora, se Deus veste assim a erva que hoje está no campo e amanhã é lançada no forno, quanto mais tratando-se de vós, homens de pequena fé! 
 Não andeis, pois, a indagar o que haveis de comer ou beber e não vos entregueis a inquietações. 
(Lucas 12:21-29)








DEVEMOS VIVER SEM AVAREZA:


E disse então ao povo: Guardai-vos escrupulosamente de toda a avareza, porque a vida de um homem, ainda que ele esteja na abundância, não depende de suas riquezas. (São Lucas 12, 15)

Quanto à fornicação, à impureza, sob qualquer forma, ou à avareza, que disto nem se faça menção entre vós, como convém a santos. (Efésios 5, 3)

Vivei sem avareza. Contentai-vos com o que tendes, pois Deus mesmo  disse: Não te deixarei nem desampararei (Dt 31,6). (Hebreus 13, 5)




A VERDADEIRA IDOLATRIA DO DINHEIRO:


"Mortificai, pois, os vossos membros no que têm de terreno: a devassidão, a impureza, as paixões, os maus desejos, a cobiça, que é uma idolatria." (Colossenses 3, 5)

"Nenhum servo pode servir a dois senhores: ou há de odiar a um e amar o outro, ou há de aderir a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro.
Ora, ouviam tudo isto os fariseus, que eram avarentos, e zombavam dele."

(Lucas 16,13 -14)




PROFECIA SOBRE OS PASTORES AVARENTOS:

"1. Assim como houve entre o povo falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos doutores que introduzirão disfarçadamente seitas perniciosas. Eles, renegando assim o Senhor que os resgatou, atrairão sobre si uma ruína repentina.

2. Muitos os seguirão nas suas desordens e serão deste modo a causa de o caminho da verdade ser caluniado.
3. Movidos por cobiça, eles vos hão de explorar por palavras cheias de astúcia. Há muito tempo a condenação os ameaça, e a sua ruína não dorme.

(...)

13. Encontram as suas delícias em se entregar em pleno dia às suas libertinagens. Homens pervertidos e imundos, sentem prazer em enganar, enquanto se banqueteiam convosco.

14. Têm, os olhos cheios de adultério e são insaciáveis no pecar. Seduzem pelos seus atrativos as almas inconstantes; têm o coração acostumado à cobiça; são filhos da maldição.
15. Deixaram o caminho reto, para se extraviarem no caminho de Balaão, filho de Bosor, que amou o salário da iniqüidade."
( 2 Ped 2, 1-3. 13-15)






































sexta-feira, 25 de março de 2011

SALMO PENITENCIAL - SALMO 129(130)

Salmos, 129






1. Do fundo do abismo, clamo a vós, Senhor;


2. Senhor, ouvi minha oração. Que vossos ouvidos estejam atentos à voz de minha súplica.


3. Se tiverdes em conta nossos pecados, Senhor, Senhor, quem poderá subsistir diante de vós?


 4. Mas em vós se encontra o perdão dos pecados, para que, reverentes, vos sirvamos.


5. Ponho a minha esperança no Senhor. Minha alma tem confiança em sua palavra.


6. Minha alma espera pelo Senhor, mais ansiosa do que os vigias pela manhã.


7. Mais do que os vigias que aguardam a manhã, espere Israel pelo Senhor, porque junto ao Senhor se acha a misericórdia; encontra-se nele copiosa redenção.


8. E ele mesmo há de remir Israel de todas as suas iniqüidades.








GLÓRIA AO PAI , AO FILHO E AO ESPÍRITO SANTO,

COMO ERA NO PRINCÍPIO, AGORA E SEMPRE. AMÉM.


Leia mais em: http://www.bibliacatolica.com.br/01/21/129.php#ixzz1HfhSV5KG

VIRGINDADE DE MARIA - DIA DA ANUNCIAÇÃO DO SENHOR - SÃO LUCAS 1, 26-38

NO DIA DA ANUNCIAÇÃO SEMPRE SE LÊ O EVANGELHO DE SÃO LUCAS 1, 26-38.

VEJA EM:
 

NELE PODEMOS DESCORTINAR UM POUCO DO QUE É O MISTÉRIO DA NOSSA SALVAÇÃO EM JESUS CRISTO, O MISTÉRIO DA SANTÍSSIMA TRINDADE, QUE DECIDE SALVAR OS HOMENS E O MISTÉRIO DA VIRGEM MARIA, ESCOLHIDA COMO PORTA DO CÉU PARA A ENTRADA DE DEUS NA TERRA EM SUA ENCARNAÇÃO.






O ANJO GABRIEL AO SAUDAR MARIA COMO CHEIA DE GRAÇA, NOS MOSTRA O PAPEL GRANDIOSO DE MARIA NA HISTÓRIA DA SALVAÇÃO, ELA QUE NÃO CONHECIA HOMEM E AO DIZER ISSO SENDO NOIVA, SÓ DEMONSTRA FIRME CONVICÇÃO DE ASSIM PERMANECER VIRGEM.




POIS UMA MULHER QUE É NOIVA NÃO ESTRANHARIA SE LHE DISSESSEM QUE ELA CONCEBERIA UM FILHO.






NO ENTANTO, MARIA JÁ POSSUÍA O DESEJO DE PERMANECER VIRGEM, PORQUE A RESPOSTA DELA ( COMO SE FARÁ ISSO , POIS NÃO CONHEÇO HOMEM?) , AO OUVIR O ANJO DIZER QUE ELA ENGRAVIDARIA, PARECERIA SEM LÓGICA SE LEMBRARMOS QUE  ELA ESTAVA PROMETIDA A JOSÉ E POR ISSO SE CASARIA COM ELE.


DESSE TRECHO, JÁ PODEMOS PERCEBER, CLARAMENTE, QUE MARIA NÃO SÓ ERA VIRGEM QUANDO CONCEBEU JESUS, COMO TAMBÉM QUERIA PERMANECER VIRGEM MESMO CASANDO COM JOSÉ.


PARA MUITOS QUE SE DIZEM EVANGÉLICOS A VIRGINDADE DE MARIA DEPOIS DO PARTO É SEMPRE CONSIDERADA UMA MENTIRA. ( EM OUTRO MOMENTO FALAREI DOS TEXTOS BÍBLICOS DESSE TEMA)

 NO ENTANTO, AFIRMAM QUE JESUS NOS SALVOU MORRENDO NA CRUZ, RECONCILIANDO O MUNDO COM SEU SANGUE SEM PECADO.

NÃO ENTENDO COMO PODEM FAZER AFIRMAÇÕES TÃO DESCONEXAS.


A VIRGINDADE DE MARIA ESTÁ COMPLETAMENTE RELACIONADA COM O PAPEL DE JESUS COMO SALVADOR.

SÓ UM HOMEM SEM PECADO PARA SALVAR UMA MULTIDÃO PECADORA.

 SÓ UM SANGUE REAL, PURO, DIVINO E HUMANO PODERIA SALVAR OS HOMENS.


MAS COMO O SANGUE DE JESUS PODERIA NOS SALVAR, SE ELE TINHA O MESMO SANGUE DE NÃO SEI QUANTOS IRMÃOS QUE ALGUNS AFIRMAM QUE JESUS TINHA?

SE JESUS TINHA IRMÃOS DE SANGUE, ENTÃO O SANGUE DELE NÃO ERA TÃO ÚNICO ASSIM, TÃO PURO ASSIM,NEM TÃO IMPORTANTE CAPAZ DE REMIR A HUMANIDADE.

COMO FILHO ÚNICO DO PAI, JESUS TINHA DE SER TAMBÉM FILHO ÚNICO DA VIRGEM.

SÓ UM SANGUE REALMENTE PURO, NÃO COMPARTILHADO COM NENHUM OUTRO PECADOR, HERDEIRO DA CULPA DE ADÃO PODERIA NOS SALVAR.

AFIRMAR A VIRGINDADE DE MARIA É AFIRMAR QUE JESUS É DEUS, PURO, ÚNICO, INIGUALÁVEL.

AFIRMAR A MATERNIDADE DE MARIA, MÃE DE DEUS, É DIZER JESUS NÃO É SÓ HOMEM, JESUS É DEUS QUE SE ENCARNOU PARA NOS SALVAR, JESUS É O DEUS VERDADEIRO É O NOSSO SALVADOR.


AFIRMAR QUE MARIA FOI IMACULADA É ACREDITAR NO SANGUE IMACULADO DE JESUS, ÚNICO HERDEIRO GENÉTICO DE MARIA, POR ISSO TÃO BEM PREPARADA E ESCOLHIDA POR DEUS.

NEGAR MARIA É DESCONECTAR A LÓGICA DO MISTÉRIO DA SALVAÇÃO.




quinta-feira, 24 de março de 2011

OS PECADOS MORTAIS - OS SETE PECADOS CAPITAIS

TRECHOS DO CATECISMO SOBRE PECADO, PECADO MORTAL, OS SETE PECADOS CAPITAIS GERADORES DE OUTROS:


















§1849 A definição do pecado


O pecado é uma falta contra a razão, a verdade, a consciência reta; é uma falta ao amor verdadeiro para com Deus e para com o próximo, por causa de um apego perverso a certos bens.

Fere a natureza do homem e ofende a solidariedade humana.

Foi definido como "uma palavra, um ato ou um desejo contrários à lei eterna".


§1850 O pecado é ofensa a Deus: "Pequei contra ti, contra ti somente; pratiquei o que é mau aos teus olhos" (Sl 51,6).

O pecado ergue-se contra o amor de Deus por nós e desvia dele os nossos corações.

Como o primeiro pecado, é uma desobediência, uma revolta contra Deus, por vontade de tornar-se "como deuses", conhecendo e determinando o bem e o mal (Gn 3,5).

 O pecado é, portanto, "amor de si mesmo até o desprezo de Deus".




 Por essa exaltação orgulhosa de si, o pecado é diametralmente contrário à obediência de Jesus, que realiza a salvação

 
 
 
 
P.28.14.1 Distinção dos pecados segundo a gravidade


§1854 A gravidade do pecado: pecado mortal e venial


Convém avaliar os pecados segundo sua gravidade. Perceptível já na Escritura, a distinção entre pecado mortal e pecado venial se impôs na tradição da Igreja. A experiência humana a corrobora.



P.28.18 Pecado mortal


P.28.18.1 "Quem não ama permanece na morte"


§1033 Não podemos estar unidos a Deus se não fizermos livremente a opção de amá-lo. Mas não podemos amar a Deus se pecamos gravemente contra Ele, contra nosso próximo ou contra nós mesmos: "Aquele que não ama permanece na morte.

Todo aquele que odeia seu irmão é homicida; e sabeis que nenhum homicida tem a vida eterna permanecendo nele" (1 Jo 3,14-15).

 Nosso Senhor adverte-nos de que seremos separados dele se deixarmos de ir ao encontro das necessidades graves dos pobres e dos pequenos que são seus irmãos morrer em pecado mortal sem ter-se arrependido dele e sem acolher o amor misericordioso de Deus significa ficar separado do Todo-Poderoso para sempre, por nossa própria opção livre.

E é este estado de auto-exclusão definitiva da comunhão com Deus e com os bem-aventurados que se designa com a palavra "inferno".






P.28.21.2 Pecados capitais geradores de outros pecados


§1866 Os vícios podem ser classificados segundo as virtudes que contrariam, ou ainda ligados aos pecados capitais que a experiência cristã distinguiu seguindo S. João Cassiano e S. Gregório Magno.

São chamados capitais porque geram outros pecados, outros vícios.

São o orgulho, a avareza, inveja, a ira, a impureza, a gula, a preguiça ou acídia.








































SALMO PENITENCIAL 101(102)




 Senhor, ouvi a minha oração, e chegue até vós o meu clamor.

 Não oculteis de mim a vossa face no dia de minha angústia.

Inclinai para mim o vosso ouvido.

Quando vos invocar, acudi-me prontamente,

4. porque meus dias se dissipam como a fumaça, e como um tição consomem-se os meus ossos.

5. Queimando como erva, meu coração murcha, até me esqueço de comer meu pão.

 6. A violência de meus gemidos faz com que se me peguem à pele os ossos.

 7. Assemelho-me ao pelicano do deserto, sou como a coruja nas ruínas.

 8. Perdi o sono e gemo, como pássaro solitário no telhado.

9. Insultam-me continuamente os inimigos, em seu furor me atiram imprecações.

10. Como cinza do mesmo modo que pão, lágrimas se misturam à minha bebida,

11. devido à vossa cólera indignada, pois me tomastes para me lançar ao longe.

12. Os meus dias se esvaecem como a sombra da noite e me vou murchando como a relva.

13. Vós, porém, Senhor, sois eterno, e vosso nome subsiste em todas as gerações.

 14. Levantai-vos, pois, e sede propício a Sião; é tempo de compadecer-vos dela, chegou a hora...

 15. porque vossos servos têm amor aos seus escombros e se condoem de suas ruínas.

16. E as nações pagãs reverenciarão o vosso nome, Senhor, e os reis da terra prestarão homenagens à vossa glória.

17. Quando o Senhor tiver reconstruído Sião, e aparecido em sua glória,

 18. quando ele aceitar a oração dos desvalidos e não mais rejeitar as suas súplicas,

 19. escrevam-se estes fatos para a geração futura, e louve o Senhor o povo que há de vir,

 20. porque o Senhor olhou do alto de seu santuário, do céu ele contemplou a terra;

21. para escutar os gemidos dos cativos, para livrar da morte os condenados;

22. para que seja aclamado em Sião o nome do Senhor, e em Jerusalém o seu louvor,

 23. no dia em que se hão de reunir os povos, e os reinos para servir o Senhor.

24. Deus esgotou-me as forças no meio do caminho, abreviou-me os dias.

25. Meu Deus, peço, não me leveis no meio da minha vida, vós cujos anos são eternos.

26. No começo criastes a terra, e o céu é obra de vossas mãos.

27. Um e outro passarão, enquanto vós ficareis. Tudo se acaba pelo uso como um traje.

Como uma veste, vós os substituís e eles hão de sumir.

 28. Mas vós permaneceis o mesmo e vossos anos não têm fim.

 29. Os filhos de vossos servos habitarão seguros, e sua posteridade se perpetuará diante de vós.







GLÓRIA AO PAI, AO FILHO E AO ESPÍRITO SANTO,
COMO ERA NO PRINCÍPIO, AGORA E SEMPRE .
AMÉM




Leia mais em: http://www.bibliacatolica.com.br/01/21/101.php#ixzz1HZMsxFx5

quarta-feira, 23 de março de 2011

ORAÇÃO PESSOAL

MINHA SENHORA, AMANHÃ PEÇO TUA BÊNÇÃO PARA QUE MEUS EXAMES DE SAÚDE NÃO ME TRAGAM PROBLEMAS.
FAÇA COM QUE EU FIQUE BOM E VOLTE A TER A SAÚDE DE ANTES, OU AINDA MAIS QUE ANTES.
REESTRUTURE MEU CORPO, MINHA CABEÇA, MEU ESPÍRITO.
PEÇO PERDÃO POR NÃO TER REZADO MUITO ESSES DIAS.

ESTEJA COMIGO, MÃE E ME PERDOE OS PECADOS E ME ILUMINE PARA QUE EU ANDE SEMPRE EM TUA COMPANHIA E NA DE TEU FILHO.

SÃO RAFAEL, PEÇA A DEUS POR MIM.

MEU JESUS, QUE ÉS TUDO PARA MIM, ESTEJA COMIGO E ME DÊ FORÇAS.

APARIÇÕES DE NOSSA SENHORA EM BANNEUX - MENSAGENS - DETALHES
























Mariette Beco, nativa de Banneux, contou que na década de 1930 presenciou oito aparições da Virgem Maria, entre os dias 15 de Janeiro de 1933 e 2 de março do mesmo ano.

A criança disse ter visto uma senhora vestida de branco, que declarou ser a Virgem dos Pobres ou Nossa Senhora de Banneux e disse-lhe:

Acredite em mim, que eu acreditarei em ti.












Índice

1 Situação geográfica

2 A família Beco

3 A primeira aparição: Domingo, 15 de janeiro de 1933

3.1 Marieta se encontra com o Padre Louis Jamim

3.2 Marieta retorna ao catecismo

4 A segunda aparição – Quarta-feira, 18 de janeiro de 1933

5 A terceira aparição – Quinta-feira, 19 de janeiro de 1933

6 A quarta aparição – Sexta-feira, 20 de janeiro de 1933

7 A quinta aparição – Sábado, 11 de fevereiro de 1933

8 A sexta aparição – Quarta-feira, 15 de fevereiro de 1933

9 A sétima aparição – Segunda-feira, 20 de fevereiro de 1933

10 A oitava aparição – Quinta-feira, 02 de março de 1933

11 Reconhecimento das aparições


Situação geográfica




A Bélgica é um pequeno país situado ao norte da Europa, entre a França e a Alemanha.

Banneux Notre-Dame era um pobre casario agrupado em torno de uma pequena igreja.


Naquela época sequer aparecia nos mapas, encontrando-se a 25 km de Lieja, capital da província. Encontra-se em um pequeno platô das Ardenas Belgas, a uma altitude de 325 metros. E é rodeada pelos lindos Vales de Ambleve.

 Na estrada de Louveigné, povoado próximo do qual depende a economia de Banneux, a um quilômetro da igreja, se encontra, à esquerda, a humilde casa da família Beco, em frente a ela há um pequeno bosque.

O lugar é úmido e pantanoso, por isso é chamado de "La Fagne", que significa o lodo. Do outro lado da estrada se encontram os grandes bosques de Eifel.



















A família Beco



















Em 1933, a família Beco era composta pelo casal e por seus sete filhos. Mais tarde teriam quatro mais.

Marieta Beco era a filha mais velha, nascida em uma sexta-feira dia 25 de março de 1921 (festa da Anunciação, que naquele ano coincidia com a Sexta-feira Santa).

Contudo na casa da família Beco, a religião não era praticada, e estavam influenciados pelas más correntes da época.




Era tempo da depressão e seu pai, Juliano Beco, era um trabalhador desempregado que fazia anos não assistia a Missa ou não se preocupava com a educação religiosa dos seus filhos.


































Tradicionalmente as mães são as que mais alimentam a vida cristã nos lares, mas a mãe da família Beco, Luiza, era também indiferente à religião.

A Marieta se considerava uma menina normal em todos os sentidos. Não era muito devota antes de sua experiência com a Virgem. Influenciada pelo ambiente de sua casa, Marieta havia abandonado a catequese.

E desde 29 de Outubro de 1932 perdera todo o contato com o padre local.

No entanto, tinha na cabeceira de sua cama uma imagem da Virgem Maria, guardava um Rosário que havia encontrado na estrada próximo de sua casa e que de vez em quando rezava antes de dormir.










A primeira aparição: Domingo, 15 de janeiro de 1933



A Virgem Maria convida a menina, com um gesto de sua mão, a se aproximar Dela.














O inverno de 1933 foi extremamente rigoroso. A neve e o gelo haviam invadido o lodo. Rajadas frias sopravam e passavam por todas as fissuras da casa da família Beco.












 Em uma noite escura, ao redor das sete da tarde, Marieta se sentou junto a janela na parte da frente da sua casa e enquanto cuidava de seu irmão bebê olhava para fora da casa.

 Em meio à escuridão, buscava algum sinal de seu irmão Julian, que havia saído e tardava a regressar. A noite escura, fria e cheia de neve.

De repente, Marieta notou ao lado direito do jardim da casa, uma senhora bem iluminada.

Marieta descreve a Virgem dos Pobres, enquanto a contemplava, dizendo:

"Éra tão bela... tinha um rosto tão formoso, com um bonito tom rosado nas bochechas (como também às vezes tenho eu), um rosto delicado, tão jovem, com um pequeno nariz muito fino; parecia uma jovenzinha de 18 ou 19 anos..."

A senhora tinha pouca estatura, ao redor de 1,5 m. Marieta nunca havia visto antes nada tão bonito. Não se vestia como as senhoras da aldeia uma vez que usava um vestido largo e branco com uma faixa azul.

 Era possível ver um de seus pés. Estava descalça, com somente uma rosa de ouro sobre os dedos de um dos pés. Pelo frio ela devia estar congelando.

Então Marieta se deu conta de que ela estava elevada sobre a terra, parada, como em uma nuvem.

 Não parecia ter nenhum frio.

Marieta continua a descrição:

"Ela tinha um vestido branco como a neve, que sobe até o pescoço. E pela cintura passa-lhe uma faixa azul, duas pontas caem pela frente do vestido. A cabeça está coberta pelo véu, que lhe cobre também os ombros e os braços. O pé direito está descoberto, onde repousa uma rosa de ouro. No braço direito está pendurado um rosário. A Virgem olha para mim sorrindo".

A senhora estava próxima do bosque, era muito luminosa, estava de pé, imóvel, ligeiramente inclinada para a esquerda.

Ela relata: “Vi uma luz e uma formosa senhora que tinha uma cabeça muito iluminada, como se a luz fosse irradiada de seu corpo. Tive medo”.

Marieta, com cerca de 11 anos, tinha uma mente muito lógica. Não podia compreender a cena que tinha aos seus olhos:

"Perguntei-me: O que é isso? Olhei com atenção, movendo a cabeça da direita para a esquerda e de cima para baixo; pensei: quem sabe é um reflexo da lâmpada. Então, eu a pus do outro lado da mesa".

Já não havia dúvida. No jardim havia uma formosa senhora. A menina assustou-se e deu um grito: Mamãe! Mamãe! Uma Senhora está no jardim. "

Então, tive medo e chamei: Mamãe, Deus meu, Mamãe! Há uma dama no jardim, está muito bem vestida, muito elegante”.

 Sua mãe, aborrecida, lhe disse: -"Deixa-me em paz menina. È sua imaginação”.

Marieta continua a olhar com muita atenção e observa à formosa dama dos pés a cabeça. A senhora está um pouco inclinada, com as mãos postas e com uma grande aureola de luz que a rodeava. -"Deus meu! Mamãe! Parece que é a Virgem Santíssima".

 Sua mãe lhe respondeu ironicamente: "Claro, talvez seja a Santíssima Virgem".

A senhora Beco, sabia, contudo, que sua filha não falava dessas coisas. Havia três meses que não colocava o pé na igreja. Devia estar com febre...

A menina, contudo, insistiu que sua mãe fosse até a janela para ver por si mesma.




 Depois de muita insistência, mas se sentido como uma tola, Louise foi até a janela, levantou a cortina e olhou para fora. De fato, por um momento vê algo, como uma silhueta luminosa de uma senhora envolta em um véu, porém não pode distinguir claramente a figura. Atemorizada, se afasta da janela e diz sorrindo a menina enquanto fechava a janela: “Deve ser uma feitiçaria”.

Marieta não desiste: -"Mamãe, te digo que é a Virgem... Sorriu-me! Que bonita que ela é!”.

A menina então notou que a Senhora tinha um rosário junto a faixa azul. A cruz era da mesma cor de ouro que a rosa que estava sobre seu pé.

Marieta foi até a gaveta e buscou um rosário que havia encontrado na rua de Tancremont e começou a rezar enquanto contemplava a aparição maravilhada.

Os lábios da Senhora se moviam, mas ela não dizia nada que Marieta pudesse ouvir.

A menina tinha o coração cativado pelo doce sorriso da Virgem. Depois de umas poucas dezenas, a Senhora levantou sua mão direita e acenou para Marieta pedindo que saísse. A jovem disse a sua mãe que a Senhora quer falar-lhe e pediu permissão para sair.

A mãe crendo que fosse uma feitiçaria, se opõe e fecha a porta com a chave. Marieta então se volta para a janela, porém a Virgem já havia desaparecido. A menina então se põe a rezar um pouco mais.

Marieta não conseguia tirar a visão de sua mente. Continuou voltando a janela para ver se a bela senhora havia voltado, mas não voltou. Logo em seguida o seu irmão Julien chegou em casa. Ela contou-lhe o que acontecera e a reação do garoto foi igual à de sua mãe sendo ainda mais bruta.

Os comentários variaram de “Você é uma boba” a “Você está louca”. Desse modo, rejeitada e só depois do encontro com a Virgem, Marieta foi dormir.






Marieta se encontra com o Padre




Na manhã seguinte Marieta contou tudo ao seu pai. Sua resposta inicial foi: "Tolice. Você está louca”.

 Porém a curiosidade dele havia sido despertada, pois notou a sinceridade de sua filha, que não costumava mentir.

 A menina não voltou atrás por causa da reação da sua família, ela acreditou realmente no que viu.

Depois que Marieta foi para a escola, Julien pediu a sua esposa que lhe mostrasse o lugar exato aonde ela viu a aparição.

Então, durante à tarde, ele tratou de simular as condições da noite anterior para encontrar uma explicação lógica daquilo que sua filha declarou ter visto.

Colocou a lâmpada a óleo em diferentes posições, mas a luz não brilhou no jardim, somente no caminho.











 Marieta retorna ao catecismo






Na quarta-feira Marieta retorna ao catecismo depois de mais de três meses de ausência.









O padre se assombra, pois, apesar de sua ausência, a menina responde bem às perguntas. È a primeira vez que isso ocorre. É uma mudança repentina.






O sacerdote chama Marieta para seu escritório e, sem querer dar importância ao assunto, lhe pergunta sobre sua experiência enquanto cuidadosamente toma nota de tudo.

A menina é perfeitamente coerente. Não há contradições em seu testemunho. Naquela mesma semana o padre transmite um relatório completo ao seu bispo.

 A segunda aparição – Quarta-feira, 18 de janeiro de 1933

“Mergulha as tuas mãos nesta água. Esta fonte me é reservada. Boa noite. Até Breve.”

Três dias após a primeira aparição, fazia um grande frio, era quarta-feira, dia 18 de janeiro. À noite, por volta das sete, Marieta, dominando seu costumeiro medo de escuro, sai da casa.

Ajoelha-se no caminho que dá para o pomar da casa. Enquanto seu pai a observa de dentro da casa.












Reza baixo, levantando do chão um pouco a vista, olhando o mesmo lugar, onde no domingo, havia presenciado a dama luminosa. Subitamente, estende os braços.

A Virgem aparece por cima do bosque, pequenina, vinda do céu. Aproxima-se, pouco a pouco, passando por entre os pinheiros.

 Uma espécie de pequena nuvem cinza a separa do solo. Um brilho deslumbrante emanava dela. Marieta estava a cerca de 1,5 m da Virgem, podia sentir o calor que a rodeava,

Nesse mesmo dia, segunda-feira, 16 de janeiro, Marieta foi à escola e contou para a sua melhor amiga Josefina Leonard que havia visto a Virgem Maria.

Sua melhor amiga se diverte perguntando: “Você não esta doente?”.

Marieta começou a chorar, tal reação surpreendeu sua amiga que passou a pensar que poderia ser verdade.

A amiga, então, pergunta: “Isso é sério? Como ela era? Como ela estava vestida?”.

Marieta reza baixinho, com o rosário entre as mãos, olhava para o alto. Contemplava a Dama sorridente, que suavemente move os lábios como se estivesse orando. Essa oração silenciosa dura uns vinte minutos.

O pai saiu da casa, e tratou de falar com a menina, mas parecia não ouvi-lo. Quando ela abriu os braços, Julian Beco se deu conta de que ela estava vendo outra aparição.

Ele montou em sua bicicleta e dirigiu-se ao povoado em busca do padre. Não pôde encontrá-lo, mas pediu a um católico praticante que o acompanhasse até sua casa.

Quando eles se aproximaram, viram a Marieta afastando-se da casa, como se estivesse sendo guiada a um lugar particular. “Aonde vais?”, gritou seu pai.

“Ela está me chamando”, contestou a menina, sem parar de caminhar.

Subitamente, pára e ajoelha-se, fica um momento assim, recitando “aves”, se levanta e continua seu caminho. Um pouco mais adiante volta a ajoelhar-se. Volta a levantar-se obedecendo ao gesto de chamada da Virgem que volta a deslizar.

Bruscamente muda sua direção, em um ângulo reto, onde havia uma fonte, que estava situada em um declive abaixo da estrada. Ajoelha-se na sarjeta enquanto a Virgem lhe fala:

"Pousa tuas mãos na água".

Sem vacilar, a menina obedece, o rosário escorrega de suas mãos que tinham se separado e conscientemente banhado, caindo na fonte.

 A Virgem diz ainda: “Esta fonte é reservada para mim”. “Até logo, boa noite”.

Depois se eleva acima dos pinheiros que cercam a fonte, enquanto olhava para a menina. À medida que se afastava parecia ainda menor.

Quando o Padre Jamim regressou a igreja, foi avisado da visita entusiasmada do Sr Beco.

 Ele sabia do que se tratava e depois de buscar ajuda de outro sacerdote e de um amigo, foi a casa dos Beco.

Quando ele chegou lá, Marieta já tinha ido dormir e então ele falou com seu pai.

Julian explicou a ele tudo aquilo que tinha acontecido no curso de quase uma hora em que ele tinha estado com a menina.

Ao término da entrevista, o padre perguntou ao pai de Marieta se ele acreditava na declaração da menina e no que ela tinha visto. A resposta dele era

 "Sim, eu acredito nisto, e para mostrar a você como eu rofundamente acredito nisto, amanhã eu irei para a Igreja para me confessar. Eu gostaria de receber a Comunhão novamente. Esta será a primeira vez que eu receberei, desde a minha Primeira Comunhão quando o menino."









A terceira aparição – Quinta-feira, 19 de janeiro de 1933

“Sou a Virgem dos Pobres... Esta fonte está reservada para todas as Nações, para aliviar os enfermos. Rezarei por ti. Até breve”.

















No dia 19 de janeiro, quinta-feira às sete horas da tarde, Marieta deixa a casa acompanhada por seu pai com a cabeça coberta com um casaco velho para melhor preservar-se do frio.





Após alguns passos, ela se ajoelha na terra nevada e reza. De repente estende os braços e exclama: “Quem sois Vós, bela Senhora?”.

A Senhora responde: “Eu sou a Virgem dos Pobres”.

Após estas palavras, a criança segue a Virgem pelo mesmo caminho da véspera até a Fonte, onde ajoelha-se com o olhar fixo para o alto, no declive onde se encontra a virgem, e faz a segunda pergunta: “Vós dissestes ontem: Esta Fonte é reser­vada para Mim”. “Por que para mim?”

O sorriso da virgem se acentua e responde: “Esta fonte é reservada pa­ra todas as nações; para alívio dos doentes”.

Marieta repete as palavras com voz clara e firme e diz: “Obrigada, obrigada!”.

A Senhora se despede dizendo: “Eu rezarei por ti. Até breve”.

 A Virgem vai embora, como na véspera, se elevando e afastando cada vez menor.










 A quarta aparição – Sexta-feira, 20 de janeiro de 1933“Eu desejo uma capela pequena.”



Marieta se sente um pouco mal, mas isso não a impediu de partir às sete horas da tarde. Ajoelhada no pomar reza o rosário. Em dois minutos grita: “O que há aqui?”.

Depois ela pede com voz clara: “O que deseja bela Senhora?”.

A Virgem responde: “Eu desejo uma pequena capela”.












Então abrindo as mãos, as estende sem separá-las de seu peito. Com a mão direita faz o sinal da cruz para abençoá-la e desaparece.







Neste instante Mariette desmaia. Ajudado por um vizinho, o pai assustado a leva para casa. Ela volta a si e dorme tranquilamente.












Intervalo



De 21 de janeiro a 11 de fevereiro, todas as tardes às sete horas Marieta vai rezar em seu lugar de costume. O frio era intenso, mas Marieta continuava rezando.

Nesses dias, somente ela acreditava na Virgem dos Pobres e desejava a qualquer preço vê-la novamente.











 A quinta aparição – Sábado, 11 de fevereiro de 1933(dia em que Ela apareceu a Bernadete em Lurdes, em 1858) “Vim aliviar-lhe os sofrimentos. Até breve.”





Marieta está rezando ajoelhada no pomar e algumas pessoas estão presentes. Ao término do segundo rosário ela se levanta de repente e se dirige para a borda do pomar e vai para a fonte, ajoelha-se nos mesmos lugares, como anteriormente. Chegando na Fonte, ajoelha-se, se inclina, põe a mão na água, se benze com o rosário.











A Virgem confessa: “Vim aliviar-lhe os sofrimentos. Até breve!” Então vai embora como de costume.

 A sexta aparição – Quarta-feira, 15 de fevereiro de 1933“Crê em Mim e eu creio em ti. Reza muito. Até breve”

Numa quarta-feira, 15 de fevereiro de 1933 apareceu a Santíssima Virgem pela sexta vez a Marieta.

A menina lhe diz: “Bela Senhora, o vigário me pediu, que nos désseis um sinal”.

Porém ela não deu nenhum sinal, apenas disse: “Crê em mim e eu creio em ti”.

Após estas palavras disse um segredo à menina e acrescentou: "REZA MUITO, ATÉ BREVE".






A sétima aparição – Segunda-feira, 20 de fevereiro de 1933“Filha, reze muito. Até breve!”






Na sétima aparição, segunda-feira, no dia 20 de fevereiro, estava nevando e fazendo muito frio. Ao término do segundo rosário Marieta estende os braços bruscamente e sua oração fica mais rápida.

 A Bela Senhora apareceu como de costume e levou consigo a menina para a Fonte.













 Marieta se ajoelha nos lugares de sempre e cada vez que ajoelha reza.









Na Fonte a Virgem como sempre sorridente lhe diz: “Querida menina, reza muito!”







 Depois, deixando de sorrir antes de partir e com voz séria acrescenta: “Até breve!”












 A oitava aparição – Quinta-feira, 02 de março de 1933“Eu sou a Mãe da Salvador, Mãe de Deus. Reze muito. Adeus.”







Numa quinta-feira, dia 2 de Março de 1933, chovia torrencialmente. No começo do primeiro rosário, de repente pára de chover, o céu se torna mais claro e as estrelas brilham. De repente Marieta se cala estendendo os braços.















A Virgem aparece pela oitava e última vez. A virgem estava muito bonita como sempre, mas não sorriu Seu rosto estava muito sério.




Talvez ela também estivesse triste porque havia chegado o fim.

Ela contou a menina: “EU SOU A MÃE DO SALVADOR, MÃE DE DEUS”.

E depois colocou as mãos sobre a criança, dizendo: “REZA MUITO... ADEUS!”

Abençoando a criança, desapareceu. Quando partiu, as nuvens cobriram o céu outra vez e a chuva voltou a cair implacavelmente.

Marieta não percebeu a chuva que golpeou seu rosto e seu corpo, ela se desmoronou na terra, chorando convulsivamente, repetindo “Santa Maria” enquanto chorava.









 Reconhecimento das aparições








As aparições da Virgem foram sujeitas a investigações oficiais por parte da Igreja católica durante os anos de 1935 á 1937. Foi formada uma comissão episcopal, e as evidências foram levadas a Roma para análise.

















 Em maio de 1942, o bispo Kerkhofs de Lieja, anunciou a aprovação das aparições. Um aprovação preliminar foi dada em 1947 pela Santa Sé; a mesma foi declarada definitiva em 1949








































casa da família beco



marietta


capela das aparições










marietta












interior da capela das aparições






padre louis

peregrinos